Categoria: Aulas Anteriores

Sedes Sapientiae – A realeza de Nossa Senhora e a realeza de Cristo (31/05/20)

Sede ou trono representam a estabilidade da realeza, que põe em movimento seus súditos por meio de seus atos de governo. Não por acaso, a cerimônia de inauguração do reinado chama-se entronização: a partir do trono, o rei promulga seus decretos, emana seus ensinamentos e pronuncia sentenças, resolvendo contendas. É, portanto, a partir da sede que o rei manifesta mais perfeitamente sua majestade. Neste dia 31, Domingo de Pentecostes, teremos uma aula sobre a realeza de Nossa Senhora e a realeza de Cristo, intimamente vinculadas. Veremos como a Igreja, desde muitíssimo cedo, sintetizou esta doutrina no título de Sedes Sapientiae, que compõe a Ladainha Lauretana, de Nossa Senhora.

Jihad (parte II) – Expansão do Islã no século VII e VIII (10/05/20)

Ainda sob as invasões bárbaras, no início do século VII a Igreja se vê diante de mais uma tempestade iniciada por um novo inimigo, o Islã. Difundido pela espada, em 150 anos a nova religião de Maomé domina toda a região do norte da África, do Oriente Médio e da Espanha, antes locais em que o Cristianismo florescia. A Europa, por sua vez, acuada e sem acesso ao Mediterrâneo, entra em profunda decadência: O início sensível da Idade Média, a destruição quase completa da cultura clássica e a maior crise enfrentada pela igreja até então e que perdura, com altas e baixas, até nossos dias.

Jihad (parte I) – O Surgimento do Islã (26/04/20)

Ainda sob as invasões bárbaras, no início do século VII a Igreja se vê diante de mais uma tempestade iniciada por um novo inimigo, o Islã. Difundido pela espada, em 150 anos a nova religião de Maomé domina toda a região do norte da África, do Oriente Médio e da Espanha, antes locais em que o Cristianismo florescia. A Europa, por sua vez, acuada e sem acesso ao Mediterrâneo, entra em profunda decadência: O início sensível da Idade Média, a destruição quase completa da cultura clássica e a maior crise enfrentada pela igreja até então e que perdura, com altas e baixas, até nossos dias.

Sagrada Tradição – Natureza, características e imutabilidade (19/04/20)

A Tradição Católica é o conjunto de verdades sobrenaturais ensinadas por Nosso Senhor sobre a Religião e a Moral passadas aos apóstolos e por meio deles e seus legítimos sucessores, a toda a Igreja. É o Depósito da Fé, que junto às Sagradas Escrituras constitui o pilar da Igreja e da Verdade e deve ser objeto de reverência, obediência, estudo e amor de todos os cristãos.

Via Crucis Domini — A Paixão de Nosso Senhor nas estações do Evangelho de S. João (05/04/20)

Particularmente recomendada pelos santos como meio eficiente de alcançar verdadeira contrição, a meditação da Paixão do Senhor, considerando Sua Via Sacra, carregando a pesada cruz por nossos pecados rumo ao Calvário, é também grande fonte de reverência à Majestade Divina, que por inefável Caridade abaixou-se para redimir o último pecador.

Scala Paradisi – O Itinerário da alma para Deus (14/03/20)

A Escada de Jacó, “posta na terra e cujo topo tocava nos céus, de onde subiam e desciam os anjos de Deus” (Gn 28, 12), sempre foi vista pelos santos padres como imagem dos esforços sucessivos a que a alma deve se aplicar, auxiliada pela graça, para chegar a Deus.

É nas mãos de São João Clímaco, santo monge grego do século VI, que essa imagem atinge sua máxima expressão. Em sua teologia ascética, trinta são os degraus até Deus. Os sete primeiros são voltados às virtudes ascéticas mais necessárias para se converter e se salvar. Os dezenove seguintes tratam de virtudes a conquistar e perigos a evitar. Os quatro últimos tratam das virtudes maiores.

Penitência e Mortificação – Do Conhecimento de si mesmo e da disciplina (29/02/20)

A Mortificação é considerada o primeiro degrau de todas as virtudes porque por meio dela se vencem os obstáculos impostos por nossas faculdades e sentidos exteriores e interiores a uma união mais perfeita com Nosso Senhor Jesus Cristo. A Penitência, por sua vez, emprega a mortificação para despertar na alma um verdadeiro amor a Deus, verdadeiro horror ao pecado e desejo firme de repara-lo. Por isso, é considerada junto com a oração como o meio mais eficaz e necessário de crescimento espiritual.

Beatitude – As Bem-Aventuranças segundo os santos padres da Igreja (07/03/20)

A perfeição cristã consiste na beatitude ou bem-aventurança sobrenatural. Ao tratar de cada bem-aventurança no Sermão da Montanha, Nosso Senhor distingue o mérito — o ato das virtudes perfeitas com o auxílio dos dons — e um prêmio diante de Deus, concedido ainda nesta vida, mas plenamente realizado no céu, pela contemplação e posse perfeitas de Deus. A prática das bem aventuranças, com o aperfeiçoamento e a purificação de nossas virtudes por obra de Deus, constitui o duplo movimento de aversão às criaturas e conversão a Deus, que é a essência da vida espiritual e o caminho inverso do pecado.