Benefícios da Congregação Mariana

Venerunt mihi omnia bona pariter cum illa
Todo o bem me veio junto com Ela (Sab 7,11)

Se vosso coração bate como um tambor abrasado no amor de Nossa Senhora, se vossa alma arde em santa alegria ao lembrar de vossa consagração, e tudo o que ouvis e vedes aqui alegra vosso peito, é porque amais a Congregação Mariana como uma santa família, família caríssima aos corações de Jesus e de sua Santíssima Mãe. Sim, a amais, e dais provas desse afeto; contudo, vosso amor ainda não é o que deveria ser.

Ah! Com quanto mais amor amarias esta santa associação se soubesse todos os tesouros que ela contém e todas as bençãos adquire aos seus membros! Essas bençãos são imensas: Os Supremos Pontífices solenemente a proclamaram para toda a Igreja, urgindo os fiéis a participarem dela. Sob suas augustas palavras, as congregações marianas rapidamente se espalharam por todos os países e por quatro séculos todos os que se alistaram em suas fileiras encontraram os inestimáveis benefícios que foram prometidos.

Quais são, então, esses benefícios? Eis os principais: Especial proteção da Santíssima Virgem, um refúgio contra a contaminação do vício, a garantia de uma vida honrada e feliz, sólida piedade, sábia escolha do estado de vida, santificação no próprio estado de vida e, finalmente, a coleção de todas as bençãos que um cristão pode desejar.

 

Especial proteção da Santíssima Virgem 

Essa proteção especial é garantida pela Mãe de Deus ao congregados, porque votam a ela especial devoção, consagrando-se.

Ao entrar na Congregação, vós vos alistais sob o estandarte da Santíssima Virgem; ao fazer vosso ato de consagração ao pé do altar de Nossa Senhora, vós vos devotais no seu serviço, solenemente protestais que estais decididos a honrá-la e amá-la para sempre, a não dizer nada, a não fazer nada contrário a sua honra, nem o permitir àqueles confiados a vós; e, ao pedir a Ela que os admitais como servos perpétuos, prometeis que jamais a abandonareis e vos dedicareis no seu serviço até o fim de vossa vida.

De sua parte, Nossa Senhora, que sempre excede em generosidade, promete-vos três grandes favores intimados no ato de consagração.

  1. Suscipe me in servum perpetuum
    Ela vos recebe no número de seus devotos servos, seus filhos privilegiados. Vossos nomes são escritos em seu coração e vossas cabeças são marcadas com o filial sinal que vos distingue dos demais fiéis aos seus olhos
  2. Adsis mihi in omnibus actionibus meis
    Nossa Senhora promete-vos uma particular assistência, em todas as vossas ações, em todos os perigos que encontrareis em vossa vida.
  3. Nec me deseras in hora mortis
    Finalmente, ela promete não vos abandonar na hora da vossa morte, mas a vos assistir e confortar na agonia do supremo momento, e defender-vos do inimigo no último combate

Eis a proteção assegurada aos membros da Congregação Mariana, apelidados em muitos lugares de “Filhos de Maria”. Nisto está a promessa de salvação anunciada pelos Doutores da Igreja quando nos dizem junto de Santo Anselmo:

Omnis ad te conversus, O Maria, et a te respectus, impossibile est ut pereat
É impossível aos que vos seguem, ó Maria, e vos servem perder-se eternamente.

Quem se volta, então, para vós de coração sincero, ó Maria, e luta para ganhar vossa consideração não pode se perder!

 

Refúgio contra a contaminação do vício

Para ser preservado da corrupção geral precisamos de uma poderosa proteção.

Não estamos mais nos dias felizes da Igreja, quando a multidão dos fiéis, unidas pelos laços da perfeita caridade, praticavam a virtude com santa emulação. Quanto mais o inimigo semeou o joio no campo do Pai, a caridade se tornou fria, a fé se tornou rara e a piedade, isolada em meio a um mundo corrompido, se tornou exposta aos maiores perigos.

Ó! Quantos perigos! Quantos naufrágios! Quantos desvios, muitas vezes sem retorno!

Não é verdade que em tudo encontramos armadilhas, inimigos da virtude e inocência, particularmente nos jovens? Por dentro as paixões desordenadas, por fora as seduções do mundo e o fascínio de seus prazeres, falsos princípios, tirania da moda e do respeito humano; frequentemente mesmo os cuidados temporais e a confusão na profissão nos arrastam para longe do cuidado com nossa alma e dos interesses espirituais. Que grande dilúvio! E quantas almas perecem nele!

Mas a Misericórdia de Deus preparou santas arcas para aqueles que querem sobreviver a esses perigos; sim, nas congregações marianas os servos que se mantém fiéis encontram um refúgio protetor contra os escândalos, os erros, as ilusões da moda, a sutil contaminação com o espírito mundano e as tentações que devastam o mundo.

Sim, um refúgio seguro e eficaz meio de salvação. Diz-nos Bento XIV na Bula Áurea

É incrível o imenso proveito que estas piedosas e louváveis Congregações Marianas, dotadas de santas e saudáveis Regras em harmonia com a diferente condição social dos congregados e cultivadas com solicitude e prudente zelo por seus respectivos Diretores, tem produzido em pessoas de todas as classes da Sociedade.

Uns, de fato, mantendo-se firmes no caminho da inocência e piedade, que sobre o amparo da Santíssima Virgem haviam empreendido com resolução desde seus ternos anos, mereceram conservar perpetuamente, com notável exemplo e com o fruto da perseverança final, aquele abnegado estado de vida que é a razão observar o homem cristão e servo da Virgem.

Outros, vencendo o atrativo dos vícios em que estavam miseravelmente aprisionados, e apartando-se do caminho da iniquidade que haviam iniciado, guardaram depois conduta ajustada, virtuosa e santa, com o auxílio da misericordiosíssima Mãe de Deus, a cujo serviço se tinham consagrado nestas Congregações, e fortalecidos continuamente com as práticas piedosas das mesmas Congregações, perseveraram até o fim felicissimamente.

Outros também, por mercê de sua afetuosa e precoce devoção à Mãe de Deus, se elevaram até os graus mais sublimes do amor divino; e abandonando com fortaleza e magnânimo coração os vãos e passageiros bens e deleites deste mundo se retiraram ao mais santo e seguro estado de vida regular, donde, cravados pelos votos religiosos na Cruz de Cristo, se entregaram totalmente à sua própria perfeição e a trabalhar na salvação dos próximos.

 

Quereis vós exemplos entre os milhares? Foi na Congregação que S. Francisco de Sales, S. Pedro Fourrier, S. Estanislau Kostka, S. Luís Gonzaga, S. João Berchamans e muitos outros construíram o alicerce da perfeição que alcançariam com a proteção da Santíssima Virgem Maria.

As mais distintas pessoas consideraram uma honra ser congregado. Francis II, duque de Lorraine, para dar o exemplo aos seus súditos e fazer profissão pública de sua devoção à Santa Virgem, quis ser um dos primeiros recebidos na Congregação de Nancy. Carlos IV e Leopoldo, herdando do pai a piedade, renderam tributo à Rainha do Céu na mesma congregação. Em pouco tempo, as congregações se espalharam em todo o mundo, crescendo em número e graça, conquistando honra para a Santíssima Virgem Maria, glória para a Igreja e santidade para seus membros, de todas as condições, estados de vida e classes.

Agora, por que esses fiéis de maneira tão ardente desejaram alistar-se nas congregações? Foi porque buscavam, e encontraram no Sodalício de Maria, um refúgio seguro contra o vício e a corrupção do século.

 

Garantia de uma vida honrada e feliz

Tenho senão uma vida. Viverei, neste mundo, apenas uma vez. Devo, por isso, escolher o mais nobre, belo e seguro caminho

Esse é o pensamento de uma grande e nobre alma quando mede com uma visão geral o curto espaço dessa vida fugaz. Como um viajante, olhando de baixo uma montanha por onde terá que atravessar, assim o verdadeiro cristão distingue entre os milhares de caminhos aquele que é o melhor, o mais nobre, o mais seguro caminho para a sua pátria, e entra, sem hesitar, nele.

Esse caminho real, esse caminho de honra e paz, é o da vida cristã, traçado por nós pelo Rei da Glória, Nosso Senhor Jesus Cristo. Nesse belo caminho, seguiu ao Redentor numa sucessão de séculos a grande procissão de seus discípulos, as rosas e a elite da raça humana. Fora desse caminho não há grandeza nem felicidade, pois não há santidade nem virtude.

Apenas do justo e bom cristão pode-se dizer

Bem-aventurado o homem que não segue o conselho dos ímpios, e não anda pelo caminho dos pecadores, e não se senta na reunião dos maus; antes, põe as suas complacências na lei do Senhor e a medita de dia e de noite. Ele é como a árvore plantada junto às cor­rentes das águas, que a seu tempo dá fruto, cujas folhas não murcham, e todas as coisas que faz têm bom êxito. (Salmo 1)

O pecador, ao contrário, é como a poeira levada pelo vento, como um tronco seco produzindo apenas espinhos; sua alma é como um campo estéril, um vinhedo perdido

Passei pelo campo do homem preguiçoso, pela  vinha do homem insensato, e vi que tudo estava cheio de ortigas, que os espinhos cobriam a sua superfície e que o muro de pedra estava caído. (Provérbios 24, 30)

Estas são as imagens usadas pela Sagrada Escritura para nos mostrar que sem virtude, apenas encontramos vergonha e miséria, enquanto a vida cristã é verdadeiramente honrável e dá ao homem toda a felicidade que pode desfrutar na Terra.

Observai que não falo da Beatitude Futura, que é a grande recompensa da virtude, mas da alegria unida às lágrimas que a precede na Terra. A Congregação Mariana vos assegura essa alegria, prezados congregados, porque vos preserva na vida cristã. Ela traz diante de vossos olhos a imagem do Céu e faz vossos corações perceberem um raio da alegria dos anjos quando, congregados em vossas reuniões e nas igrejas, vedes a beleza da liturgia,  ouvis os belos hinos da Igreja, rezais e ouvis falar de Cristo.

É nela que depois, quando jogado no vendaval do mundo, quando a morte – nas palavras dos Doutores da Igreja – penetra em todos os sentidos, que o Filho de Maria novamente encontra alegria e vida.

O que pode, então, ser mais doce que buscar refúgio nesses refúgios de virtude em que vivemos os anos de ouro de nossa vida, vindo aos pés da melhor das mães para reanimar nossos corações, renovar nossas boas resoluções e tirar de nós a poeira do mundo que se gruda até na mais perfeita das almas?!

 

Sólida piedade

A piedade, que  consiste na adoração a Deus e nas práticas da religião, é preciosíssima por ser ao mesmo tempo a raiz das virtudes e o princípio de todas as bençãos. Para produzir esses frutos, porém, a piedade deve ser sólida, como uma árvore vigorosa que resiste às tempestades e estações.

Frequentemente encontramos uma piedade que consiste em uma inclinação do coração e uma assiduidade na oração, mas desacompanhada de um espírito de trabalho e de constante fidelidade ao dever. Esta é uma piedade fraca e preguiçosa, como uma flor, que é levada pelo vento e que murcha no calor do verão.

A verdadeira piedade, no entanto, deve ser sólida e ao mesmo tempo firme, iluminada e ativa, que consiste na inseparável união de oração e dever. Instrução, conseguida pelo estudo, energia, em combater, e espírito de trabalho são suas três características e é fácil de ver como a Congregação Mariana foi feita para dá-las aos seus filhos, pois

  • os instrui
    pelas leituras espirituais, pelas aulas e práticas feitas nas reuniões, pelas academias e pelas obras de ensino da doutrina da salvação e, mesmo, das ciências que as congregações empreendem;
  • os fortifica
    pela sua regra de vida, pelas suas práticas interiores e exteriores, pelas orações, méritos, indulgências, boas obras, bons exemplos e intercessão dos santos congregados;
  • os sustenta e prepara para a guerra
    pela frequência nos sacramentos, alimentando-os com o Pão dos fortes, que os dá energia cristã e espírito de trabalho, tanto para os deveres de estado quanto para os trabalhos espirituais, de caridade e zelo, que as congregações promovem e encorajam, de acordo com as circunstâncias.

 

Sábia escolha do estado de vida

Todo homem foi destinado pela Providência a um estado de vida, uma carreira, o que é normalmente chamado de vocação.

Nada é mais importante que decidir o estado de vida. Errar na escolha do estado de vida, ou demorar demais a fazê-la, é entrar num caminho falso que pode comprometer gravemente o futuro, a felicidade e até mesmo a própria salvação. Fazer uma boa escolha e manter-se fiel a ela é a segurança da felicidade nesta vida e na próxima.

Fazer uma má escolha da vocação, um infortúnio – infelizmente – tão frequente,  normalmente tem como causa a má conduta e o vício, ou uma paixão cega pela qual se deixa guiar o infeliz.

Para evitar cair nesse abismo, evitai os caminhos do pecado; o cristão que se mantém fiel a Deus será guiado pela Sua mão Paterna para o lugar feito para ele, para o estado de vida em que encontrará a felicidade e paz desejada aqui embaixo: Justum deduxit Dominus per vias rectas.

Por preservar seus membros da tirania das paixões, por fazê-los caminhar num caminho de virtude, por iluminá-los e instruí-los sobre os deveres dos diferentes estados, por direcioná-los com seus conselhos, procurando para seus filhos o socorro do alto, com orações, sacrifícios e com os  sacramentos, a Congregação Mariana os guia com segurança e certeza para o estado de vida. Não é esse um inestimável benefício?

 

Santificação no próprio estado de vida

Não é suficiente abraçar o correto estado de vida; é necessário também santificá-lo, isto é, cumprir suas obrigações e viver santa e cristãmente nele.

Santificar-se no próprio estado é, simplesmente, ser perfeito, porque é corresponder integralmente aos desígnios e vontade de Deus. O que, de fato, Deus pede ao homem no próprio estado que santificar-se nele pelo cumprimento devoto dos deveres inerentes a ele? Não foi isso que fizeram os santos, vivendo na clausura ou no Mundo?

Santificar-se no próprio estado leva a uma vida de dever, ao invés de uma vida de diversão. Que não se pense, no entanto, que a vida de dever é fria e cansativa, desprovida de alegria ou qualquer prazer: Aqueles que vivem senão por Deus e para Deus tem a verdadeira, mais prazerosa, mais doce e pura das alegrias! Pois são animados pela presença do Divino Mestre!

E eis que é essa a alegria que a Congregação propõe. Não a alegria do mundo, mas a alegria do Céu, pois procura aos seus membros os melhores auxílios para a santificação no próprio estado.

 

Toda a coleção de bençãos que um cristão pode desejar

O salvador nos mostra um tesouro, a origem e princípio de todas as bençãos na imagem da pérola de grande valor a qual um mercador vende tudo o que tem para adquirir, pois quando ele obtém essa pérola, ele tem todos os tesouros, todas as riquezas. Essa pérola de grande valor, diz São Bernardo, é a Vida Religiosa, o estado daqueles que, pelos votos da religião, consagram-se totalmente e irrevogavelmente a Deus.

Podemos, como S. Bernardino, aplicar as palavras do santo doutor à Congregação Mariana, na qual os fiéis se dedicam para servir a Deus consagrando-se a si mesmos para a Santíssima Mãe de Deus. Podemos dizer com São Bernardo:

Ali vive o homem mais puro: cai menos vezes em pecado; quando cai, é menos gravemente; levanta-se mais depressa; anda com mais precaução; tem mais sossego de espírito; é mais orvalhado com a chuva da divina graça; satisfaz mais a Deus e abrevia o purgatório; morre com maior confiança e alegria e é coroado de maior glória no Céu

Como é edificante a vida e bela a morte de um verdadeiro Filho de Maria! Quão consolável e preciosa aos olhos de Deus! Ó, minha mãe, tornai-me digno de ser vosso congregado! Dai-me vossa solicitude neste mundo tempestuoso e guiai-me na minha última hora!

 

Pe. F. X. Schouppe 
em Sodality Director’s Manual, 1882, pg. 12-26
Tradução e ampliação por um Congregado Mariano

Loading Likes...

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *