Retiro anual

Um retiro espiritual nada mais é do que o período de alguns dias consagrado apenas ao caso de nossa salvação e aos grandes interesses de nossa alma.

Nas faculdades e outras casas educacionais, há um retiro anual; muitas congregações também se retiram todos os anos; até paróquias de tempos em tempos têm um retiro, que leva o nome de missão. É uma das maiores graças concedidas aos fiéis; e podemos dizer que aqueles que lucram com isso não podem deixar de ser cristãos fervorosos.

 

Vantagens de um retiro

As vantagens e os frutos de um retiro são uma visão clara da verdade, a renovação do espírito, paz de consciência, promessa de felicidade, uma santa preparação para a morte.

 

Uma visão clara da verdade

O homem precisa refletir sobre os assuntos de sua alma e sobre seu destino eterno. O que há de mais importante? Se ele atribui tanto valor ao seu corpo, que é mortal, e à sua fortuna temporal, que a morte lhe tirará, ele não deveria fazer infinitamente mais no caso de sua alma, que é imortal, e sua salvação, que deve ser sua fortuna na eternidade? Agora, no meio da turbulência dos negócios e das dissipações diárias, os homens pensam apenas nos objetos que atingem os sentidos; esquecem completamente as coisas do espírito e caem na deplorável negligência de sua salvação. A alma deles, de acordo com a expressão do profeta, é como uma terra devastada pelo inimigo: toda a terra é desolada porque não há quem a considere no coração (Jer. XII, 11). O que você diria de um viajante que, percorrendo um país desconhecido, escolheria o caminho a percorrer sem saber para onde o levaria? Em vez de seguir cegamente o caminho, ele não deve conhecer o país, não deve subir a altura mais próxima e, de seu cume, examinar as diferentes rotas que levam, algumas ao abismo e outras ao seu país? Este viajante é um homem andando pelo deserto deste mundo para alcançar seu destino eterno.

Ele pode proceder cegamente e em risco? Ele não deveria parar para considerar o caminho entre os mil caminhos desta vida? É necessário, então, que ele suba a montanha – isto é, se aproxime de Deus por meio da reflexão e solidão; aí ele verá onde está, ouvirá a voz da verdade, que é a de Deus, falando ao seu coração: Eu a levarei ao deserto e falarei ao seu coração.

A verdade é que encontramos uma solidão luminosa nos exercícios de um retiro.

 

Renovação de espírito

Todos, mesmo os mais fervorosos, entre nós, precisam renovar o espírito, de acordo com as palavras do apóstolo: Renove-se no espírito de sua mente (Ef. IV, 23), ou seja, reanime, renove seu fervor, reviva suas forças espirituais, repare suas perdas em virtude.

A virtude também está sujeita à decadência, como todas as coisas humanas; e se for necessário, no final de um certo período, restaurar um edifício, reequipar um navio, consertar máquinas, renovar provisões, não é menos necessário renovar de tempos em tempos as virtudes, as operações e todos as recursos de nossas almas. Sem essa precaução, não podemos evitar cair na decadência, no sono da tibieza e talvez até na morte.

 

Paz de consciência

Não há felicidade possível sem paz de consciência. O problema interior tem dois graus, o do pecado mortal e o da tibieza. Qualquer que seja o nosso estado, devemos dizer: desejo tranquilizar minha consciência de uma vez por todas e me vincular à lei divina como um bom cristão. Desejo que minha consciência me dê o doce testemunho de que estou reconciliado com Deus e sinceramente entregue a Seu serviço. Então descansarei em paz sem temer a surpresa da morte.

 

Uma promessa de felicidade

Você gostaria de ser feliz? Ah! quem não gostaria? A felicidade é a aspiração natural e invencível de todo ser humano. Então, se você gostaria de ser feliz, não há melhor maneira do que fazer um bom retiro. Pois a felicidade não consiste em riquezas ou prazeres exteriores, mas no temor do Senhor, como as palavras do Espírito Santo nos dizem repetidamente: Bem-aventurado o homem que teme o Senhor (Sl. 128, I). Então, um retiro estabelece a alma nesse abençoado temor como um edifício sobre suas bases. Então vocês gostariam de ser feliz em particular, rapazes e moças? Vocês gostariam de uma carreira honrosa e feliz? Façam um bom retiro e estabelecerão as bases de um bom futuro.

 

Preparação para a morte

Em obediência aos conselhos do Divino Mestre, devemos nos preparar para a morte, para que possamos estar sempre prontos; cabe a nós, então, fazer uma preparação, pelo menos de tempos em tempos. Para esse fim, não há tempo melhor que o de um retiro. Então é fácil regular as contas com Deus; enquanto em outras circunstâncias, particularmente em tempos de doença, é difícil e frequentemente impossível.

Portanto, não devemos nos beneficiar de um retiro para uma ação tão importante? Deveríamos, particularmente como todo retiro pode ser para aqueles que o iniciam no final de sua vida. Cada um deve dizer para si mesmo no começo: Este retiro pode ser o meu último, desejo fazê-lo com espírito de preparação para a morte.

Dessa maneira, o retiro será para todos uma verdadeira preparação para a morte, próxima para alguns, remota para outros.

Tais são as principais vantagens de um retiro espiritual; eles nos mostram que é uma graça excepcional e inestimável que não podemos desejar suficientemente.

 

Prática

Para colher plenamente os frutos de um retiro, devemos seguir os exercícios com assiduidade, sinceridade e oração.

A assiduidade às vezes exige sacrifícios; existem inconvenientes e obstáculos a serem superados; devemos prevê-los, evitá-los ou superá-los com um coração generoso, lembrando que é para Deus e nossa alma. Não o faríamos por interesses corporais?

A sinceridade consiste em nos dedicar exclusivamente aos exercícios, deixando de lado tudo o que não é absolutamente necessário, ouvindo atentamente os sermões, refletindo sobre eles conforme eles se aplicam especialmente às nossas necessidades, para que possamos ser penetrados por eles e observando pontos que nos impressionam particularmente, para que possamos preservá-los.

Devemos orar muito ao Sagrado Coração de Jesus, à Virgem, recitemos o rosário, ajudemos na Missa, façamos o caminho da cruz. Também é bom, por vezes, examinar nossa consciência em preparação à confissão.

Assim, colheremos os frutos de um retiro em toda a sua plenitude e encontraremos nele um penhor de salvação e uma fonte de todas as bênçãos.

 

Pe. F.X. Schouppe, S.J., em Sodality Director’s Manual (1882)
Tradução e adaptação por um congregado

Loading Likes...

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *