Meditação de Santo Afonso sobre o Pecado Mortal

Considera como tu, criado por Deus para amá-Lo, te rebelaste contra Ele com ingratidão infernal; trataste-o como inimigo, desprezaste sua graça, a sua amizade. Quem peca o que faz? Dá de costas a Deus, perde o respeito para com Ele, levanta a mão para dar-Lhe uma bofetada, põe aflito o coração de Deus: “Et afflixerunt Spiritum Sanctum eius” (Is 63). Quem peca diz a Deus: “Vá para longe de mim, não quero obedecer-Te, não, não quero servir, não quero reconhecer-Te como meu Senhor: Não Te quero como Deus, o meu Deus é o prazer, o interesse, a vingança”.

Assim você falou em teu coração quando preferindo a criatura no lugar de Deus. Santa Maria dos Loucos não podia acreditar que um cristão pudesse, de olhos abertos, cometer um pecado mortal: E você que está lendo, o que diz? Quantos pecados mortais você cometeu? “Deus meu, perdoa-me, tenha piedade de mim. Te ofendi, bondade infinita: odeio os meu pecados e me arrependo de, erradamente, ter-te ofendido, ó meu Deus digno de infinito amor”.

Considera o que te dizia Deus quando pecavas: Filho, eu sou o teu Deus, que do nada te criou e te recomprou com o meu sangue; proíbo-te pecares sob pena de tua desgraça. Mas você, pecando, disse a Deus: “Não quero obedecer-te, quero ter este prazer e não importa o quanto Te doa e que eu fique sem tua graça”. “Dixisti, non serviam”. “Ah! meu Deus…E dizer que várias vezes fiz isso… Como pudeste me suportar? Ó tivesse eu morrido antes de ofender-Vos… Não quero mais magoar-Vos: Quero amar-Vos, Bondade infinita! Dá-nos a perseverança; dá-nos o Teu Santo Amor”.

Considera que Deus abandona o pecador quando o número de pecados chega a certo ponto: “Dominus Patienter Exspectat, ut cum iudicii dies advenerit in plenitudine peccatorum puniat (II Mac 6,14)”. Então, irmão meu, se de novo tiver gana de pecar não digas mais: “Depois hei de confessar-me!” E se Deus, neste mesmo instante, tira tua vida? E se Deus te abandona? O que será de ti por toda a eternidade? Muitos perderam-se desta maneira.

No entanto, esses muitos, esperavam o perdão mas aí chegou a morte e então condenaram-se. Teme, e treme, que o mesmo não suceda a ti. Não é digno de misericórdia quem quer servir-se da bondade de Deus para ofendê-Lo. Depois de perdoar tantos pecados mortais que você cometeu, é justo temer a falta de perdão ao cometer mais um pecado mortal. Dê graças por Ele ter esperado você até agora. De hoje em diante diga sempre: “Senhor, Já basta o tanto que Vos ofendi; o restante de minha vida quero gastá-Lo amando-Vos e a chorar pelas ofensas que Vos dirigi. Arrependo-me de todo o coração. Meu Jesus, quero amar-Vos, dai-me forças. Maria, minha Mãe, ajudai-me. Amém”.

 

Fruto I
Farei freqüentemente atos de arrependimentos, dizendo: Misericórdia, ó meu Jesus; arrependo-me de Vos ter ofendido, peço-Vos perdão para os meus pecados.

Fruto II
Examinarei se há em mim algum afeto desordenado que possa afastar-me de Deus, e desterra-lo-ei do coração.

Loading Likes...

Artigos Relacionados