B. Carlos Spínola, mártir

Resultado de imagem para beato carlos spinola

Mártir no Japão e sacerdote (jesuíta).

Nascimento
1564, em Gênova ou Praga (incerto), Itália

Morte
1622, em Nagasaki, Japão

Beatificação
07/07/1867, em Roma, pelo Papa Pio IX

Festa Litúrgica
10 de Setembro

Onde Foi Congregado
No Colégio dos Jesuítas em Nola, Itália

Beato Carlos Spinola era filho de Octavian, Conde de Tessarolo, nasceu em 1564, não se sabe ao certo se foi em Gênova ou em Praga, onde seu pai estava servindo Rodolfo II de Habsburgo.

Ele passou sua juventude com seu tio Filipe, o bispo de Nola, imerso em estudos clássicos e na prática da arte de cavalaria. Aos 20 anos, ele aprendeu do martírio do jesuíta Rodolfo Acquaviva na Índia, entrou em uma crise de identidade, que o levou a entrar na Companhia de Jesus em 21/12/1584.

Fez o noviciado em Nápoles, em Lecce, sob a orientação de San Bernardino Realino, tendo como colega de estudo São Luis Gonzaga e após a conclusão dos seus estudos em filosofia e teologia, foi ordenado sacerdote em Milão em 1594.

Dois anos depois, em 1596, apesar da decepção de sua família, ele pediu para ir exercer o seu ministério no Japão. Partiu em 10 de abril e, durante a viagem, uma tempestade o levou para a costa do Brasil, onde foi levado como prisioneiro pelos para a Inglaterra.

Uma vez libertado, regressou a Lisboa e partiu para o Japão com seu parceiro, Angelo de Angelis.

Ele chegou a Nagasaki em 1602 depois de uma viagem durante a qual ele foi atormentado por uma doença grave que o atingiu depois de tocar os portos de Goa e Macau. Durante onze anos realizou um intenso apostolado nas regiões de Arie e Meaco, constituindo uma escola eficaz de catecismo e convertendo cerca de cinquenta mil japoneses.

Foi nomeado procurador da província jesuíta e em 1611, vigário do padre provincial Valentino Carvalho. Com a eclosão da perseguição contra os cristãos em 1614, teve de viver escondido sob um nome falso, sem seguir a ordem de expulsão e mudando constantemente de endereço para evitar ser pego.

Ele exercia seu ministério sacerdotal durante a noite, nas casas dos cristãos, confessando, ensinando e celebrando a missa. Por causa disso, acabou sendo capturado em 14 de dezembro de 1618, juntamente com o catequista Giovanni Kingocu e outro cristão, Ambrosio Fernández, na casa de Dominic George, que morreu como um mártir, sendo que um ano depois, sua esposa Elizabeth e seu filho Ignasio foram presos e levados junto com o padre Carlo Spinola e os outros.

Depois de quatro longos anos na prisão, em condições desumanas, durante as quais, apesar das várias doenças que o afligiram, o padre Spinola era o constante apoio de seus companheiros de prisão.

No início de setembro de 1622, por ordem do governador Gonrocu, ele foi levado a Nagasaki, junto com outros 23 prisioneiros; alguns foram decapitados e outros, incluindo Carlos Spinola, foram queimados em fogo baixo. Por causa de sua fraqueza, ele foi um dos primeiros a morrer.

O Papa Pio IX o beatificou em 7 de julho de 1867 junto com outros 204 mártires, representando os milhares de cristãos que naquelas terras distantes deram suas vidas por Cristo.

Loading Likes...

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *