B. Maria Theresa Ledóchowska, virgem

Virgem e fundadora do Instituto de São Pedro Claver para as Missões na Africa. Considerada a "Mãe da Missões africanas"

Nascimento
29 de abril de 1863 em Loosdork, Império Austríaco

Morte
06 de julho de 1922 em Roma, Itália

Beatificação
19 de outubro de 1975 pelo papa Paulo VI

Festa Litúrgica
6 de junho

Onde foi Congregado
Congregada no Colégio de Sankt-Põlkten, Áustria

Maria Theresa Ledóchowska foi uma religiosa católica romana, polonesa e missionária que fundou as Irmãs Missionárias de São Pedro Claver, que eram dedicadas aos serviços na África.

Ela era a mais velha de 7 filhos. Membros da nobreza polonesa, ela e seus irmãos nasceram em Loosdorf na baixa Áustria, que era propriedade de seus pais, o conde Antoni Halka-Ledóchowski e sua esposa a condessa Josephine Salis-Zizers.

Quando pequena, demonstrou grande amor pelas artes e talento como escritora. Amava a vida da sociedade e vestia seus melhores trajes. Foi educada pelas irmãs de Loreto e em sua vida escolar também mostrou uma devoção a fé católica que foi incutida nela pelas irmãs e sua família.

Durante o período em que seu pai e ela contraíram varíola, em 1885, seu pai veio a sucumbir por causa da doença e ela se recuperou. Foi durante esse período, que ela realizou um voto de virgindade.

Maria Theresa foi admitida na Ordem Terceira de São Francisco, seguindo a espiritualidade com ênfase na Paixão de Cristo. Fruto das orientações de um padre franciscano, que acompanhava tanto ela como sua irmã.

Pouco depois de sua chegada, dois membros das Missionárias Franciscanas de Maria foram ao tribunal em busca de ajuda financeira para o trabalho missionário, Ledóchowska ouviu atentamente enquanto as duas religiosas compartilhavam a experiência do trabalho com leprosos em Madagascar, mas ela não tomou nenhuma ação. No ano seguinte, duas outras irmãs foram ao tribunal com o mesmo propósito e dessa vez ela teve um desejo de se comprometer com este trabalho.

No serviço missionário, ela começou a usar seu talento literário para se opor à escravidão e protestar contra o tratamento desumano de mulheres, então predominantes na África. Ela escreveu um romance intitulado Zaida para mostrar as terríveis consequências da escravidão, especialmente para com as mulheres. Ao mesmo tempo, ela começou uma página de missão em um periódico católico. Esses recursos da missão, chamados Echo From Africa baseavam-se em cartas de missionários servindo na África. Ledóchowska deixou a corte e passou a residir em uma comunidade das Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo, em Salzburgo. Lutando para encontrar apoio financeiro para o seu projeto, ela viveu em quase pobreza, sobrevivendo de uma promessa concedida pela Imperatriz Elisabeth da Áustria , que a nomeou uma canoness (membro de uma comunidade religiosa que vive uma vida simples, que observa a vida monástica de Santo Agostinho).

À medida que o trabalho se expandia, a visão de Ledóchowska gradualmente tomava forma. Ela começou a recrutar outras mulheres como "missionárias auxiliares", as quais ela organizou em 1894 como a Sodalidade de São Pedro Claver para as Missões Africanas e a Libertação dos Escravos, uma associação de mulheres leigas . Ela colocou seu trabalho sob o patrocínio do missionário jesuíta espanhol , São Pedro Claver , que passou uma vida inteira a serviço dos escravos africanos trazidos para a América do Sul, o que lhe valeu o título de "Apóstolo dos Escravos". Os objetivos da sociedade eram divulgar as necessidades das missões na África e angariar fundos para esse trabalho.

Em 29 de abril de 1894, o papa Leão XIII formalmente abençoou o empreendimento, aprovando a Sociedade de São Pedro Claver como uma Associação de Piedosos dos Fiéis em 19 de abril de 1894. Dessa sociedade, os missionários auxiliares se transformaram em uma congregação religiosa . Em 8 de setembro de 1897 (festa da Natividade de Maria , mas também o aniversário da morte de Claver), ela e suas primeiras companheiras professaram seus votos religiosos permanentes como Irmãs Missionárias de São Pedro Claver. Elas adotaram as Constituições Jesuítas para seu próprio uso, para combinar os elementos da contemplação com uma vida ativa de serviço.

No fim de sua vida, contraiu tuberculose e, apesar da dor e do esgotamento, ela continuou a servir às necessidades das missões e de sua congregação. Sucumbiu no dia 06/07/1922 na Casa Geral da congregação em Roma.

Ficou conhecida como “Mãe das missões africanas”.

B. Maria Theresa foi congregada mariana no colégio de Sankt-Põlkten, na Áustria

Loading Likes...

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *