Beatos Mártires Jesuítas na Índia

Os nomes dos cinco mártires da Companhia de Jesus são: Rodolfo Aquaviva, Alfonso Pacheco, Pedro Berna e Antonio Francisco, sacerdotes e Francisco Aranha, irmão coadjutor. Padre Aquaviva era o filho do Duque de Atri, um parente da família de São Luis Gonzaga e sobrinho do padre Claudio Aquaviva, quinto superior Geral da Companhia de Jesus. Rodolfo entrou na ordem, aos dezoito anos de idade, em 1568. Depois de ser ordenado sacerdote, em Lisboa, foi enviado para a Índia, para a cidade de Goa. Em 1579, o grande Mughal Akbar solicitou que os missionários fossem enviados à sua corte, em Fatehpur Sikri, perto de Agra.

Padre Aquaviva, que era um homem “de caráter muito simples e amável … e vivia em constante união com Deus”, foi um dos escolhidos para esta missão. Até o ano de 1583, ele estava na corte do magnata tentando convertê-lo, mas sem sucesso. No mesmo ano, ele assumiu a missão de Salssete, ao norte de Bombaim.

Imagem relacionada

Padre Rodolfo Acquaviva, S.J.

Padre Pacheco, que era castelhano, e o padre Berna, natural da Suíça, acompanharam os portugueses em duas expedições punitivas contra a aldeia de Cuncolim. Nessas ocasiões, fizeram tudo o que podiam para destruir os templos hindus e, sem dúvida, o povo não parou de observá-los. O padre Francisco era português, nascido em Coimbra. O Irmão Aranha foi o arquiteto da missão em Goa e esteve na Índia durante vinte e três anos antes de ser martirizado.

Os cinco jesuítas trabalharam no distrito de Salssete. Como Cuncolim era o bastião da religião hindu naquela região, eles decidiram trabalhar naquela aldeia especialmente. Assim, a 15 de julho de 1583, reuniram-se em Orlim e, acompanhados por alguns cristãos, foram para a Cuncolim, com a intenção de escolher a terra para uma igreja e plantar uma cruz nela.

Quando os missionários chegaram, os notáveis ​​da aldeia reuniram-se apressadamente em conselho e saíram ao encontro deles com alguns guerreiros. Um português, cujo sobrenome era Rodríguez, tentou se defender abrindo fogo, mas o padre Pacheco o impediu de disparar seu arcabuz, dizendo: “Não viemos nos espancar”. Então, os habitantes de Cuncolim caíram sobre os cristãos. Os quatro sacerdotes morreram rezando por seus inimigos. O irmão Aranha ficou tão ferido que os perseguidores acreditaram que ele estava morto; mas no dia seguinte encontraram-no ainda vivo. Então eles ofereceram a ele a oportunidade de se salvar se ele adorasse um ídolo. Quando o irmão recusou, amarraram-no a uma árvore e o mataram com flechas. Junto com os missionários, Gonzalo Rodríguez morreu e catorze cristãos indígenas, incluindo dois filhos. Nós não sabemos por que Mons. Menezes, Arcebispo de Goa, omitiu os nomes desses mártires na lista de causas de beatificação introduzidas em 1600.

A causa dos cinco jesuítas levou mais tempo do que o habitual, visto que o promotor da fé argumentou que a destruição dos pagodes hindus tinha provocado um estado de guerra, de modo que a causa da morte foi a ira do nativo e não a fé dos missionários. Em 1741, o Papa Bento XIV declarou que era um autêntico martírio, mas a beatificação formal não ocorreu até 1893.

Rodolfo Acquaviva e Pedro Berna foram congregados marianos, o primeiro no Colégio Germânico de Roma e o outro no Colégio Romano.

Gravura dos mártires de Cuncolim em 1583

Tradução e adaptação por um congregado mariano do Texto de <https://www.eltestigofiel.org/index.php?idu=sn_2553>

Fonte: «Vidas de los santos de A. Butler», Herbert Thurston, SI

Loading Likes...

Artigos Relacionados