Soneto à Santíssima Virgem

Ó Virgem, já que fostes verdadeiro
meio por onde o Rei do empíreo céu
neste vale de lágrimas desceu
a nos livrar do grande erro primeiro;

O qual, como mansíssimo cordeiro,
à morte sua vida ofereceu,
e seus sagrados membros estendeu
num duro, para nós brando, madeiro;

Sede, Virgem, agora o mesmo meio
entre mim e o mesmo Filho vosso.
Mostrai-lhe o brando peito de amor cheio,

Que logo o piedoso Senhor nosso
verá como por mim à terra veio,
e que sem ele ao Céu subir não posso.

Diogo Bernardes

 

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *