Como devem os congregados honrar Nossa Senhora

Nosso Santíssimo Redentor, prestes a completar a grande obra da Salvação do Homem ao entregar seu espírito nas mãos do Eterno Pai, adia um pouco a consumação da Redenção a fim de não se despedir de sua mãe sem tê-la honrado. Poucas foram as palavras que disse o Senhor morrendo na Cruz: A mais importante , como o fez saber o Discípulo Amado e os Padres, foi para fazer saber a Igreja que o Tesouro que Ele nos deixou, sua própria mãe, era Mãe de todos aqueles que tinham Fé – eis aí tua mãe, – pedindo a Ela, ao mesmo tempo, uma ternura maternal com a humanidade – eis aí teu filho.

A Santíssima Virgem Maria deve, por isso, ser honrada como a Mãe de Jesus Cristo, por Geração, e Mãe de todos os cristãos, por regeneração. Todos os santos gloriosos no Céu encontraram a influência de sua proteção, de tal modo que Ela foi justamente chamada Porta do Céu. Depois apenas de Cristo, foi por causa dela que eles ali entraram. Esta Estrela da Manhã iluminou seus caminhos; esta Torre de David, fortemente armada, triunfou sobre o inferno. Ela, levada para o Céu em corpo e alma, intercede por nós diante do trono de Deus. Pecadores vacilantes, diante do horror da morte, recorrem a essa Mãe compassiva quando, na hora extrema, tremem ao pensar em aparecer diante do Supremo Juiz e por esse meio, muitas vezes a salvação veio por meio dela.

Grande deve ser, portanto, nossa devoção para com esta poderosa Advogada, Mãe de Misericórdia chamada com justiça de Esperança Nossa. A Igreja em todo o mundo se entrega, com filial confiança, à Intercessão da Santíssima Virgem como um forte escudo: Assim como a respiração é não apenas um sinal de vida, mas uma de suas causas, assim a devoção a Nossa Senhora é não apenas um sinal de salvação, mas mesmo, diríamos, uma causa dela.

Os congregados com esta filial confiança devem entender bem como devem honrar sua Mãe. Devem não apenas ouvir sobre suas excelentes virtudes, mas imitá-las. Devoção, nas palavras de S. Tomás, é a pronta vontade de fazer aquelas coisas que pertencem ao serviço de Deus: Por essa definição, honram verdadeiramente a Mãe de Deus aqueles cuja vontade está preparada para promover em si mesmos e nos outros a imitação de suas virtudes, até à perfeição, e se entrega no serviço e honra de Deus.

 

Quia respexit humilitatem ancillae suae

A primeira lição que Ela dá aos seus congregados é a profunda humildade. Essa virtude a preparou para se tornar uma mãe tão excelente, quia respexit humilitatem ancillae suae; O orgulho é o vício mais perigoso de todos, porque cega os mais culpados. Seus tristes efeitos deveriam nos dar grande horror: Dissensões, raiva, arrogância, auto-defesa diante dos próprios erros e falhas aparentes, endurecimento, apostasia. Que jamais os congregados permitam o Demônio tenha domínio em suas almas desta maneira, pois no Orgulho a perdição eterna tem sua vida e princípio.

Os congregados marianos devem, por isso, tomar como um dos principais princípios da vida espiritual ser mansos e humildes de coração e assim encontrarão descanso para suas almas. Uma alma humilde pode lutar contra o Inferno inteiro de uma vez só. Esta humildade deve ser real, não afetada, evitando satisfazer-se com elogios e pondo-se sempre como o menor e último de todos, pois para o verdadeiramente humilde, o elogio é um tormento.

 

Viver pela honra de Maria

Os fins de semana e os dias festivos sempre foram especiais para uma maior dedicação ao serviço de Deus e esforço para aumentar a intensidade do trabalho da salvação: Hoje, porém, eles são tempo de satisfazer o apetite, e enquanto os homens descansam de seus trabalhos, o Demônio trabalha como em nenhum outro dia na semana.

Os congregados devem honrar Nossa Senhora nesses dias pela oração frequente, pela Santa Missa, pela Meditação e pela reunião da Congregação, momento em que ouvem exortações e fazem estudos espirituais e orações em comum. Nos Domingos, devem render especial ação de graças pela Criação; nas festas do Senhor, pela Redenção; nos dias dos santos, devem se esforçar para imitá-los.

Os congregados devem, constantemente, ler sobre as festas litúrgicas e as  história dos santos e perguntar-se a si mesmos: Por que ainda estou tão distante disso? Os mártires com alegria deram sua vida por Cristo, e eu? O que estou disposto a fazer por Deus? Eles deram tudo por Cristo. O mundo tem horror ao pensamento de renunciar uma única paixão proibida ofensiva tanto a Deus quanto a si mesma.

Para por a alma em melhor ordem, devem frequentemente implorar a Assistência Divina no Santíssimo Sacramento, alongando-se nas visitas, tantas quanto possíveis, ao prisioneiro do sacrário. Devem, também, confessar-se e comungar frequentemente, jamais passando um mês inteiro sem que recebam os sacramentos. Nos Domingos e Dias Santos, devem recitar o Ofício de Nossa Senhora, e devem buscar recitá-lo também nos demais dias, se for possível.

Devem, também, a cada manhã repetir a oração que rezaram no dia de sua admissão à Congregação: “Santíssima Virgem Maria, mãe de Deus, etc” a fim de manter seu fervor e renovarem sua consagração ao serviço de sua Imaculada Mãe. Aos sábados, devem rezar a Ladainha Lauretana.

Devem os congregados, por fim, ter imenso amor à Devoção Universal do Santíssimo Rosário, aos seus quinze mistérios que servirão muitas vezes como tema de suas meditações. Como será grande o consolo em pensar nas milhares de vezes em que se pediu àquela que é o Refúgio dos Pecadores para estar presente na hora da terrível agonia, a hora em que depende a Eternidade, a hora de nossa morte. Neste momento solene, quando não puder pedir por si mesmo misericórdia, a Mãe de Deus, tendo em conta as muitas orações que aquela pobre alma a dirigiu, será sua Advogada.

Rules and Instructions for the Sodality of Our Lady (1703), pp. 51-69
Tradução e grifos por um congregado mariano

Loading Likes...

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *