Como o Rosário deve ser recitado para que seja meritório

A oração é definida por São Damasceno como ascensio mentis ad Deum: Uma elevação da mente a Deus, sem a qual não há oração verdadeira. É dividida em oração mental e oração vocal: a oração mental consiste inteiramente no exercício interior da mente; a oração vocal consiste em louvar a Deus e orar a ele com a língua, sem excluir essa ascensão da mente a Deus, pois rezar só com a língua, sem a mente, seria sem fruto e sem mérito, como explica São Boaventura: “só com a voz, sem nenhuma aplicação da mente, sem saber o que diz, quem não vê que ele é como um papagaio?

A elevação da mente exigida na recitação do Rosário deve ser uma meditação piedosa sobre os quinze mistérios, gozosos, dolorosos e gloriosos; assim, enquanto nós rezamos com nossas vozes os “Pai Nossos” e “Ave Marias” que compõem o Rosário, em nossos pensamentos consideramos em nossos pensamentos os mistérios que pertencem a cada dezena.

É verdade que uma oração vocal, como o Rosário, pode ser meritória sem a aplicação da mente à consideração dos quinze mistérios designados; é suficiente que se reflita sobre a presença de Deus, sua onipotência, sua misericórdia ou algumas de suas outras perfeições; tanto nos castigos temporais ou eternos que alguém merece, ou em outros assuntos que se referem a Deus para que a oração seja meritória; mas se recitarmos o Rosário com tais pensamentos, ao invés de considerarmos seus quinze mistérios, não ganhamos as indulgências concedidas pelo Soberanos Pontífices, como Bento XIII declarou expressamente.

Enganamo-nos, pois, se pensamos que temos algum mérito ao recitar o Rosário, permitindo-nos atentar o que se fala ao nosso redor, olhar o que acontece, interromper-nos muitas vezes para comentar sobre o que se vê ou responder o que se nos pergunta. Fazendo assim, merecemos o opróbrio do Senhor: Este me louva com os lábios, mas seu coração está longe de mim (Mt 15, 8). E não permita Deus que não nos entreguemos apenas às distrações, mas cheguemos a ponto de considerar vingança, nutrir sentimentos de ódio ou nos ocupar com pensamentos perversos durante a oração; pois então, muito longe de adquirir mérito, tornaria-nos dignos de castigos eternos!

Se, portanto, desejamos encontrar na devoção do Rosário um apoio seguro na esperança que temos de salvar nossas almas por meio dela, ela deve produzir em nós uma verdadeira emenda, uma verdadeira reforma de nossas vidas, segundo o que a Santíssima Virgem, a Mãe de Deus, espera de nós. Mas nunca obteremos este fruto, se na recitação do Rosário não estiver unida à nossa voz uma meditação piedosa sobre estes mistérios, que colocam diante de nossos olhos os feitos amorosos, os trabalhos, as humilhações e os sofrimentos de Jesus Cristo.

Há quem se iluda ainda mais: são os que imaginam que, levando consigo o Rosário, se acham fortalecidos com um braço seguro contra o diabo, e assim se prometem uma boa morte; confiam na recitação de exemplos antiquados de pecadores, que, depois de uma vida cheia de crimes, porque recitaram e levaram consigo o Rosário, obtiveram por intercessão de Maria a graça de morrer arrependidos. Mas esses exemplos, se verdadeiros, são milagrosos; e não creio que ninguém ame tão pouco sua alma a ponto de desejar salvá-la apenas por um milagre! Não! Se desejamos ser salvos com a proteção de Maria, convém que façamos um melhor uso das devoções instituídas em sua honra; pois sabemos que pelas devoções mal realizadas e empreendidas para viver sem temor da justiça de Deus, longe de obter a proteção da Santíssima Virgem, apenas provocamos seu desgosto.

Não é suficiente para quem recita o Rosário ter um coração puro ou uma boa intenção: ele também deve ter uma língua pura. A devoção do Rosário floresceu em todas as casas; mas qual é a casa em que floresceu com o cheiro bom com que o santo rei Davi desejava que sua oração fosse embalsamada para que fosse agradável a Deus? “Senhor, disse ele, que minha oração cresça como incenso em Tua presença“. É de se temer que muito Rosários sejam como as flores do Egito, das quais Plínio diz que não têm aroma: como uma flor sem odor dificilmente é agradável ou é mesmo desagradável, também as rosas oferecidas a Maria são dificilmente agradáveis ​​e podem ser até desagradáveis , porque têm menos odor.

A triste causa deste infortúnio pode ser atribuída às palavras impróprias que tantas vezes saem das bocas : elas tiram o cheiro bom das orações, porque não podem agradar à Mãe de Deus. Assim, há alguns que não podem falar dez palavras sem entrelaçá-las com alguma expressão indecente; outros, quando ficam com raiva, falam uma linguagem muito grosseira; muitos dificilmente podem apresentar alguma graça sem dizer uma palavra indecente. Este hábito detestável, além do mal que inflige diretamente às almas, causa grande dano aos exercícios de piedade, e especialmente ao Rosário; pois a Santíssima Virgem não pode aceitar estes Rosários que lhe são apresentados em línguas que estão em tão mau estado. Não se deve entender que falo aqui daquelas palavras sujas que espalham um odor pestilento de lascívia, e que o diabo nos faz considerar permissíveis para animar a companhia, palavras que são causa de escândalo por excitarem a mente e o coração maus pensamentos e afeições impuras: refiro-me àqueles que contêm reprovações injuriosas, expressam coisas rudes, indecentes e vergonhosas!

Quantas vezes não vemos pessoas que, irritadas por coisas vãs ou irracionais, vomitam uma torrente de injúrias e discursos intemperantes! Quantas vezes, indignados contra seus filhos, seus operários, seus servos, lhes atribuem ou desejam mil males e os ameaçam com termos rudes e furiosos! Freqüentemente, permite que outros que ouçam isso comece a falar no mesmo caminho. Como podemos acreditar que o Rosário, quando o recitamos com uma língua assim manchada, pode ser agradável à Mãe da pureza? Se alguém oferecesse a uma senhora flores ou frutas depositadas em uma cesta ou vasilha impura, em vez de ficar satisfeita com tal presente, ela se ofenderia; como então se pode imaginar que a Santíssima Virgem deseja acolher as orações e os Rosários que lhe são oferecidos numa língua habituada a pronunciar palavras sujas e vergonhosas?

Nicéforo, na sua história da Igreja, relata que saiu do corpo de Santa Glicéria um líquido que, recolhido num vaso de bronze, produziu efeitos maravilhosos, especialmente para a cura dos enfermos. O bispo então achou conveniente, por respeito, substituir o vaso de bronze por um de prata; mas naquele exato momento o precioso líquido parou de fluir. Depois de muitas penitências e orações, soube-se por revelação que essa mudança se devia ao fato de o vaso de prata ter sido antes usado para usos profanos, o que o tornou impróprio; o vaso foi então removido e o milagre continuou seu curso. São Jerônimo diz que os lábios empregados em louvar, orar e abençoar o Senhor nunca devem ser maculados por nenhum pecado: “É errado que aqueles lábios com os quais você confessa, pede e abençoa o Senhor sejam poluídos pela mancha de qualquer pecado”. Ora, se é uma grande indignidade sujar a língua com um propósito ruim, que grande mal não será maculá-la a cada momento com tantas palavras indecentes, vergonhosas e imodestas! E poderia alguém ainda manter que a Virgem Abençoada consideraria agradável o Rosário recitado em tal língua?

Há quem diga que não tem escrúpulo de usar palavras indecentes, que afinal essas palavras não são blasfêmias, que merecem ser seriamente condenadas, mas que são faltas veniais, que por si mesmas não tiram o mérito de oração. No entanto, respondemos que são as moscas que o Espírito Santo diz que estragam o perfume do delicioso unguento (Ecl 10, 1), a causa pela qual se perdem o fervor da caridade e, por conseguinte, a devoção: para que o Rosário não tenha o mérito que o torna caro a Maria, nem tão eficaz para obter as graças que sempre obtém quem o recita devotamente. Embora palavras imodestas não sejam blasfemas, são falhas veniais muito graves que causam danos muito graves à alma. São estas ações causa pela qual as orações são recitadas sem mérito, porque a falta de fervor na caridade sempre os torna mais pobres em virtude, mais imperfeitos, mais frios e, conseqüentemente, menos agradáveis ​​aos olhos de Deus e da Santíssima Virgem. Por isso, São Tiago diz acertadamente que aquele que não deseja controlar sua língua não tem devoção verdadeira, mas uma devoção vã, apenas a aparência dela: E se qualquer homem se considera religioso, não refreia a língua, mas engana seu próprio coração, este homem a religião é vã. (Tg 1, 26)

Se então desejamos que a recitação do Rosário seja meritória e proveitosa às nossas almas, além da posse da pureza de coração, será necessário que usemos uma língua pura e sempre consideremos o grande mal que é causado pelo vício contrário; por escândalo, mau exemplo, dado a seus filhos e a outros por suas palavras indecentes ou impróprias.

Consideremos, além disso, que o mérito e o lucro serão ainda maiores se recitarmos o Rosário com devoção na companhia de membros da família ou de outras pessoas, e isso pelo bom exemplo que daí resulta e porque o Senhor se agrada encontrar-se no meio daqueles que se unem para glorificar o seu nome, como ele mesmo declarou: Pois onde estão dois ou três reunidos em Meu nome, aí estou eu no meio deles (Mt 18, 20).

Acrescentemos que o Rosário pode ser proveitoso, não só para as nossas almas, mas também para as almas dos mortos, a quem, diz o Beato Alanus, Deus envia a sua misericórdia por este meio: “A Santíssima Trindade envia aos misericórdia morta através do saltério de Maria, a Mãe da misericórdia”. É muito agradável a Deus se procurarmos alívio para essas almas sofredoras; é um ato sagrado e salutar: “é portanto um pensamento sagrado e salutar rezar pelos mortos”  (II Mac 12, 46). E a Rainha do céu declarou-se sua Mãe afetuosa, como revelou a S. Brígida: “sou a Mãe de todos os que estão no purgatório.” Eles estão até mesmo sob a autoridade dela, diz São Bernardino de Siena: “A Santíssima Virgem tem domínio no reino do purgatório”. Não devemos, portanto, negligenciar um exercício tão piedoso como é a recitação do Rosário; devemos tentar recitá-lo com um coração puro e uma língua pura na companhia da família e de outras pessoas. Se assim o recitarmos com verdadeira devoção, será de grande proveito para a salvação de nossas almas e para o consolo das almas dos mortos.

Sermão de Santo Afonso sobre o Rosário, 1774
Tradução e adaptação por um congregado mariano

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *