A heresia do indiferentismo

Uma das heresias mais comuns em nossos dias é a heresia do indiferentismo. O indiferentismo religioso é a noção de que todas as religiões do mundo são similarmente boas e têm chances similares de levar alguém para o céu. O Papa Leão XIII ensinou que o principal problema com essa heresia é que ela anula a missão única de Jesus Cristo de salvar pessoas de todas as nações. Em Satis Cognitum (1896 DC), o Papa Leão XIII escreveu: “A missão de Cristo é salvar o que pereceu: isto é, não algumas nações ou povos, mas toda a raça humana, sem distinção de tempo ou lugar”. Considerar todas as religiões em um mesmo nível – ou mesmo em níveis razoavelmente similares, culmina na absoluta negação dessa missão de Nosso Senhor.

O indiferentista vê a religião como uma força moral, um meio de condicionamento, uma válvula de escape para sentimentso piedosos, algo que “algumas” pessoas”precisam” para serem felizes ou se manterem socialmente. Ele elogiará todas as religiões pelos homens virtuosos que produziram; ele defenderá que inteligência e boa educação exigem uma tolerância bondosa para com todos os credos e igrejas; ele denunciará veementemente a Igreja Católica do passado como fanática, intolerante e autocrática, porque ela reivindica a obediência sob o pecado como o porta-voz infalível de uma revelação divina. Existem muitos caminhos, diz ele, que levam ao reino dos céus, e um homem honesto pode percorrer qualquer um deles com a convicção de que está agradando a Deus.

Pode-se encontrar o indiferentista em todos os lugares. Em questões educacionais, ele é um secularista, que se maravilha muito com o esforço determinado feito pelos católicos para educar seus filhos em escolas católicas; na política, ele quer que o Estado ignore totalmente a religião e fica indignado quando a Igreja e o Estado trabalham juntos para o bem comum; em questões sociais, ele defende muitos princípios subversivos da moralidade cristã e diz à Igreja para manter suas mãos longe de questões como divórcio, controle de natalidade, problemas trabalhistas e coisas semelhantes. Na religião, ele acredita que todos os credos são igualmente verdadeiros e igualmente úteis – talvez, no fundo de seu coração igualmente falsos – e que sua aceitação ou rejeição é tão sem importância quanto as roupas de um homem ou os costumes de sua nacionalidade peculiar.

A Igreja Católica condena em termos muito inequívocos essa heresia moderna do indiferentismo. Ela afirma que o indiferentismo é o inimigo mais sutil da religião, mais difícil de combater que o preconceito e a intolerância mais amargos. Um homem que odeia a Igreja Católica porque pensa que ela representa tudo que é não inteligente, ignóbil e autocrático, pode ser levado a amá-la, uma vez que saiba que foi enganado pelos pais que ama e pelos professores que respeita. Um bom odiador como São Paulo, que, como ele mesmo diz, agiu “por ignorância e descrença“, tornou-se, após sua conversão, um dos maiores amantes de Jesus Cristo. Mas um indiferentista, que declara Deus indiferente à verdade simplesmente porque ele mesmo é indiferente, gloria-se em uma religião feita por si mesmo, livre de todas as obrigações e restrições,

Não é estranho, entretanto, que o próprio homem que se preocupa noite e dia com seus problemas de negócios, e que sacrifica a saúde e o conforto em sua busca por dinheiro, preferência política ou os interesses da ciência, seja ao mesmo tempo totalmente indiferente à verdade de Deus? “Buscai primeiro o reino de Deus”, disse Jesus Cristo (Mt 6,33). “Que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? Ou que troca o homem dará pela sua alma?” (Mt 16, 26)

É fácil rastrear a origem do indiferentismo moderno. É a reação inevitável do falso ensino de Lutero com relação à fé justificadora. Sua fórmula extrema, “Só a fé sem obras salva”, levou à fórmula oposta, na mente de seus descendentes: “Só trabalhar sem fé salvará”. Lutero disse: “Acredite bem, e não me importo com o que você faz.” Seu seguidor hoje diz: “Faça o que é certo e não me importo com o que você acredita.” Além disso, o ensino de Lutero sobre o julgamento privado, que fez da razão do homem o árbitro supremo da revelação de Deus, levou naturalmente ao indiferentismo. O protestantismo do século XVI substituiu a infalível Igreja Católica por um livro infalível, a Bíblia, mas, na prática, o significado da Bíblia foi deixado para a interpretação privada do indivíduo. Em poucos anos, esse princípio defeituoso deu origem a várias versões contraditórias do evangelho de Cristo. Como o homem do povo pode distinguir a versão verdadeira da falsa? Não era inevitável que, sem tempo, inclinação ou habilidade para estudar, ele logo concluísse que não fazia diferença no que um homem acreditava?

A Igreja Católica condena o indiferentismo em nome da razão, das Sagradas Escrituras e da tradição cristã. O deus do indiferentismo não é um Deus a ser adorado por homens racionais. Deus é a verdade essencial, absoluta e eterna; Ele é igualmente essencial. Santidade absoluta e eterna. Um Deus de verdade e santidade, Ele não pode estar igualmente satisfeito com a verdade e o erro, com o bem e com o mal. Afirmar, portanto, que Deus não se importa com o que os homens acreditam – talvez apenas com o que fazem ou sentem – é de fato uma blasfêmia. Um homem indiferente à verdade – um mentiroso, em outras palavras – não pode ter o respeito de seus semelhantes. Um Deus indiferente à verdade não poderia exigir a honra de homens pensantes. Não é de se admirar, então, que aqueles que formaram um conceito tão baixo da Divindade finalmente O negaram completamente. O indiferentismo é apenas ateísmo disfarçado.

A afirmação de que uma religião é tão boa quanto outra é irracional. É um primeiro princípio da razão que duas afirmações contraditórias não podem ser ambas verdadeiras. Se um for verdadeiro, o outro é indubitavelmente falso. Ou existem muitos deuses ou um Deus; ou Jesus Cristo é Deus ou não é; Maomé é um profeta ou um grande impostor; o divórcio é permitido ou proibido por Cristo; a Eucaristia é o Jesus Cristo vivo ou é mero pão. Declarar todas as religiões mais ou menos verdadeiras, ou que suas diferenças são acidentais, é negar a verdade objetiva juntamente com o pragmatista – uma negação que é a maldição de nossa época. Segundo essa teoria, o homem deve mudar de religião assim como muda o corte de suas roupas, de acordo com seu ambiente. Ele deveria ser católico na Itália, luterano na Suécia, maometano na Turquia, budista na China, xintoísta no Japão.

Certamente é muito estranho que muitos que acreditam em Cristo sejam indiferentistas, apesar de sua condenação clara e explícita desse erro. Jesus Cristo ordenou a Seus apóstolos que ensinassem um evangelho definido e condenou aqueles que o rejeitaram conscientemente. “Pregai o Evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado” (Mc 16. 15s). Ele profetizou que muitos contestariam Seu ensino, mas Ele os denunciou em termos incomensuráveis. “Cuidado com os falsos profetas que vêm a vocês vestidos de ovelhas, mas por dentro são lobos vorazes” (Mt 6, 15).

A revelação, se tiver algum significado, é uma mensagem divina que ninguém pode rejeitar sem pecar. Devemos recebê-lo, como diz o apóstolo, “não como palavra de homens, mas como realmente é a palavra de Deus” (1 Ts 2, 13). Deus, um Deus da verdade, não poderia ter revelado uma pluralidade de religiões ou uma infinidade de cristianismos variados. Ele fundou uma Igreja, a Igreja Católica Apostólica romana, um Reino de Deus, um redil, sob a direção perpétua e infalível de Si mesmo e do Espírito Santo, e nada mais.

A história do Cristianismo em todas as épocas mostra como é estranha a Cristo a heresia do indiferentismo, que foi popularizada pela primeira vez pelos deístas ingleses e pelos racionalistas franceses do século XVII. Nos primeiros três séculos, os mártires cristãos morreram aos milhares, ao invés de salvar suas vidas por uma profissão de indiferentismo. Freqüentemente, amigos e parentes pediam a eles que sacrificassem aos deuses da Roma pagã ou, pelo menos, permitissem que seus nomes fossem escritos como tendo sacrificado. “Que diferença faz esse pequeno ato?” perguntariam os indiferentistas. Nossos mártires, porém, responderam nas palavras de Cristo: “Todo aquele que me confessar diante dos homens, eu o confessarei diante de meu Pai que está nos céus. Mas aquele que me negar diante dos homens, eu também o negarei diante de meu Pai. quem está no céu “(Mt 10, 32s). Os santos e os mártires não eram indiferentistas. Na Inglaterra do século XVI, a muitos católicos foi oferecido dinheiro, preferência e vida, se ao menos reconhecessem a supremacia real dos Tudors nas coisas espirituais, contra a voz constante da cristandade desde o início. Mas homens como o S. Thomas More, o bispo S. Fisher e S. Edmund Campion morreram de bom grado pelos ensinamentos certos de Cristo. Eles não eram indiferentistas.

Na verdade, descobrimos que o homem que diz primeiro: “Não faz nenhuma diferença o que um homem CRÊ” é levado logicamente a dizer: “Não faz nenhuma diferença o que um homem FAZ“. Sua moralidade é construída sobre a mudança, areias de opinião, fantasia, respeito humano e, portanto, não suportará o estresse da tristeza, desgraça, dificuldade ou tentação. Se a religião for uma mera questão de opinião, toda certeza moral torna-se impossível e os homens caem nos velhos vícios do paganismo.

Às vezes, a boa vida dos descrentes é mencionada como prova positiva de que a fé é um fator sem importância na regulamentação da conduta. Um homem argumentará: “Este fulano nunca põe o pé dentro de uma igreja, nem aceita qualquer credo; ainda assim, ele é um homem gentil, caridoso, puro e honesto. Por outro lado, este outro é católico, aceitando sem questionar cada dogma e lei de sua Igreja, e eu sei que ele é um bêbado, um adúltero, um hipócrita, o mais destituído de caridade e desprezível dos homens.” Mas esta declaração nada prova, porque a comparação é feita entre os vícios abertos e bem conhecidos de um crente pecador e hipócrita e as boas ações óbvias de um incrédulo amável. O caráter total dos dois homens freqüentemente não é conhecido adequadamente e, conseqüentemente, não é pesado em uma balança verdadeira.

Mas mesmo se admitirmos que um descrente em particular seja um homem razoavelmente bom, sua bondade certamente não se deve à sua incredulidade. Ele vive em um ambiente cristão; ele vem de origem cristã; ele pode ter recebido uma educação cristã quando criança. Sua vida é parasitária. Como Balfour escreve em seu “Foundations of Belief”, 82: “Os biólogos nos falam de parasitas que vivem, e só podem viver em corpos de animais mais altamente organizados do que eles. Assim é com aquelas pessoas que afirmam mostrar, por seu exemplo, que o naturalismo é consistente com a manutenção de ideais éticos, com os quais o naturalismo não tem afinidade natural. Sua vida espiritual é parasitária, é protegida por convicções que não pertencem a eles, mas à sociedade da qual fazem parte; é alimentado por processos dos quais eles não participam.” 

Se o homem for totalmente indiferente à verdade de Deus, se ele olhar para os Dez Mandamentos como leis temporárias desenvolvidas a partir da consciência de uma certa raça semita, se ele questionar o fato da existência de Deus, menosprezar o fato da imortalidade, negar o fato do pecado e a liberdade da vontade, que base ele pode ter para a lei moral? O verdadeiro cristão pode, sob o estresse da tentação, cair nos piores vícios do pagão e desmentir sua alta profissão. Mas não importa o quão baixo ele possa cair, ele cai de um padrão, e pode-se esperar dele uma emenda. Certa vez, ele subiu ao monte de Deus e sabe que, com a ajuda de Deus, pode alcançar o topo novamente. Agora, se um homem se sente confiante de que todo lapso é devido meramente ao mal do meio ambiente, uma mancha no sangue ou a força impulsionadora de uma vontade mais forte, ele não responderá ao seu apelo para coisas superiores. Ele chama o mal de bem e o bem de mal.

Diz alguém que a conduta é a única coisa essencial. Estará certo? Talvez. Mas a fé é a inspiração e o suporte da conduta correta. É a própria pedra fundamental da vida sobrenatural. Um bom homem aceitará a palavra de Deus em sua totalidade, uma vez que a conheça. Um bom homem está fadado a buscar a revelação de Deus, uma vez que começa a duvidar da validade de suas próprias convicções éticas e religiosas. É tão pecado negar a verdade conhecida ou ser indiferente em sua busca, quanto cometer assassinato ou adultério. Este é um princípio que o mundo moderno esqueceu, mas terá que voltar a ele. É uma verdade que a Igreja Católica está sempre tentando transmitir a todos os corações e mentes. Ela apela a todos os homens, embora iludidos pelo erro ou aviltados pelo pecado, com um espírito de bondade, tato, simpatia e paciência.

Disse infalivelmente (ex cathedra) o Papa Eugênio IV no Concílio de Florença: “A Santa Igreja Romana acredita firmemente, professa e prega que todos aqueles que estão fora da Igreja Católica, não apenas pagãos, mas também judeus ou hereges e cismáticos, não podem participar da vida eterna e irão para o fogo eterno que foi preparado para o diabo e seus anjos, a menos que se juntem à Igreja antes do fim de suas vidas; que a unidade deste corpo eclesiástico é de tal importância que somente para aqueles que nele habitam os sacramentos da Igreja contribuem para a salvação e somente nela jejuns, esmolas e outras obras de piedade e práticas cristãs produzem recompensas eternas; e que ninguém pode ser salvo, não importa o quanto tenha dado em esmolas e mesmo que tenha derramado sangue em nome de Cristo, a menos que tenha perseverado no seio e unidade da Igreja Católica.

Rezemos, assim, como S. Clemente Hofbauer:

Ó meu Redentor, chegado estará o momento terrível, em que não restarão mais do que poucos cristãos animados do espírito de Fé? O momento em que, provocado pelos nossos crimes, nos retirareis Vossa proteção? As faltas e a vida criminosa dos Vossos filhos têm enfim impelido irrevogavelmente a Vossa Justiça a se vingar?

Autor e consumador da nossa Fé, nós Vos suplicamos na amargura do nosso coração contrito e humilhado: não permitais que a bela luz da Fé se extinga em nós. Lembrai-Vos das Vossas antigas misericórdias; lançai um olhar de compaixão sobre a vinha que foi plantada pela Vossa direita, regada com o suor dos Vossos Apóstolos, inundada pelo sangue de milhares de Mártires e lágrimas de tantos generosos penitentes, e fertilizada pelas orações de tantos Confessores e Virgens inocentes.

Ó divino Mediador, olhai para estas almas fervorosas que num rapto contínuo para a Vossa Misericórdia, Vos imploram pela conservação do mais precioso de todos os tesouros. Diferi, ó Deus justíssimo, o decreto da nossa reprovação, voltai os Vossos olhos dos nossos pecados, e fixai-os sobre o Sangue adorável que, derramado sobre a Cruz, nos adquiriu a salvação e intercede quotidianamente por nós sobre os nossos altares.

Ah! Conservai-nos a verdadeira Fé Católica Romana! Aflijam-nos, embora, as enfermidades; os pesares nos consumam; acabrunhem-nos as desgraças; mas conservai-nos a nossa santa Fé, porque, ricos deste dom precioso suportaremos de boa mente todas as dores, e nada poderá turvar a nossa felicidade. Ao contrário, sem o soberano tesouro da Fé, a nossa desgraça será indizível e imensa.

Ó bom Jesus, autor da nossa Fé, conservai-a pura; guardai-nos firmemente na barca de Pedro, fiéis e obedientes ao seu sucessor, o Vosso Vigário na terra, a fim de que a unidade da Santa Igreja seja mantida, a santidade animada, a Sé Apostólica livre e protegida, e a Igreja universal dilatada para bem das almas.

Ó Jesus, autor da nossa Fé, humilhai e convertei os inimigos da Igreja; concedei a todos os fiéis e príncipes cristãos e a todo o povo fiel, a paz e a verdadeira unidade; fortificai-nos e conservai-nos todos no Vosso santo serviço, para que, vivendo para Vós, morramos também em Vós. Ó Jesus, autor da nossa Fé, viva eu para Vós e para Vós morra. Amém.

 

Artigo de Pe Bertrand L. Conway, C.S.P, escrito em 1929
Tradução e expansão por um congregado mariano

 

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *