Deus é quem estabeleceu as escolas católicas

Estes mandamentos que hoje eu vos dou hão de estar em vosso coração,
e inculca-lo-eis aos vossos filhos (Dt 6, 6)

 

Deus quer que todos os homens conheçam a Verdade
Tão grande é a bondade de Deus que tendo criado os homens, quer que cheguem todos ao conhecimento da Verdade 1. Esta Verdade é o próprio Deus, e tudo quanto se dignou revelar-nos tanto por Jesus Cristo como pelos santos Apóstolos e pela sua Igreja.

Quer Deus sejam dela inteirados todos os homens, a fim de que lhes seja iluminada a mente com as luzes da fé. Ora, não será possível seja instruído nos mistérios da santa religião quem não tiver a dita de ouvi-los expor pela pregação da palavra de Deus. Como hão de crer os homens naquele de quem não ouviram falar? E como ouvirão falar dEle se não tiverem quem lhe anuncie? 2

Por isto Deus que, pelo ministério dos homens, quer difundir sua doutrina pelo mundo inteiro, mandou a Luz sair das trevas; e a iluminar pessoalmente os corações daqueles que destinou a anunciarem sua palavra aos meninos, a fim de que os possam instruir, descobrindo-lhes a glória de Deus.

Já que Deus, em sua infinita bondade, vos há confiado tal ministério, não adultereis a sua palavra, mas procurai alcançar dEle a glória de desvendar a Verdade àqueles que estais destinados a instruir. Seja esta vossa constante aplicação nas instruções que lhes ministrardes, considerando-vos nisso como ministros de Deus e dispensadores de seus mistérios3

 

O professor é suplente dos pais
Um dos principais deveres dos pais é educarem cristamente seus filhos e inculcarem-lhes a religião. Não estando, porém, a maior parte deles suficientemente instruídos, ocupados, aliás, uns em seus negócios temporais e no cuidado da família, outros numa solicitude contínua, a fim de ganhar para si e seus filhos o necessário sustento, não podem aplicar-se sozinhos a lhes ensinar devidamente o que diz respeito às ciências e aos deveres do cristão.

Por isso, é disposição da Providência de Deus e da sua vigilância sobre o governo dos homens por em lugar dos pais pessoas suficientemente instruídas e zelosas que ensinem aos meninos o conhecimento de Deus, do Mundo e dos mistérios da Religião, com todo o cuidado e aplicação possíveis; e que, quais peritos arquitetos e segundo a graça que Deus lhes prodigalizou, se desvelem por lançar o fundamento da religião e da piedade cristã 4 no coração desses meninos, dos quais muitos ficariam abandonados ou prejudicados sem tal auxílio.

Vós, pois, chamados por Deus para esse ministério, empregai, segundo a graça que vos foi liberalizada, o dom de instruir ensinando e de exortar excitando os que estão confiados aos vossos cuidados, conduzindo-os com atenção e vigilância, a fim de cumprirdes para com eles o principal dever dos pais em relação a seus filhos.

 

O professor deve esforçar-se pela salvação de seus alunos
Não só quer Deus que todos os homens cheguem ao conhecimento da verdade, quer também sejam todos salvos5. Não o pode, porém, querer de verdade, sem lhes dar os meios para isso; por conseguinte, sem fornecer aos meninos mestres que contribuam para a cabal realização desse desígnio. Este é, diz São Paulo, o campo que Deus cultiva e o edifício que levanta; e sois vós os escolhidos por Ele para O ajudar nessa tarefa6, anunciando a esses meninos o Evangelho de Seu Filho e as verdade nele contidas.

Eis porque haveis de honrar o vosso ministério, esforçando-vos por salvá-los; e visto que Deus, segundo a expressão do mesmo apóstolo, vos tem feito seus ministros para reconciliá-los com Ele, confiando-vos para este efeito, a palavra de reconciliação7 em relação a eles exortai-os como se Deus mesmo os exortasse por vossa boca8, já que Ele vos destinou a anunciar a essas tenras almas as verdades do Evangelho, e a proporcionar-lhes os meios de salvação ao seu alcance.

Ensinai-lhos não com palavras estudadas, afim de não ser frustrada a Cruz de Jesus Cristo, fonte de nossa salvação9 nem serem infrutíferas para o espírito e o coração as exortações que lhes dirigirdes. Pois, sendo simples estes meninos, importa que quem os ajuda a se salvarem o faça de um modo tão simples que todas as palavras a eles dirigidas sejam claras e de fácil compreensão.

Sede, pois, fiéis a esta prática, a fim de poderdes contribuir quanto Deus o pede de vós para a salvação dos que vos tem confiado.

A alma de cada aluno vosso é infinitamente cara a Deus; se alguma delas se perder por vossa culpa, pedir-vos-á alma por alma.

  1. I Tm 2, 4
  2. Rm 10, 14
  3. I Cor 4, 1
  4. I Cor 3, 10
  5. I Tm 2, 4
  6. I Cor 3, 9
  7. Rm 11, 13
  8. II Cor 5, 13
  9. I Cor 1, 17

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *