Virtude Sólida

Assimilabitur viro sapienti, qui cedijicavit dormim siiam supra petravi

“Aquele, pois, que ouve estas mi­nhas palavras e as põe em prática é semelhante a um homem prudente, que edificou sua casa sobre a rocha” (Mt VII, 24)

 

Temos a felicidade de amar a virtude, de apreciá-la e de sermos vencidos por sua beleza; portanto, desejamos enriquecer cada vez mais nossos corações com tão grande bênção. Mas, para realizarmos esse desejo santo, devemos buscar a virtude verdadeira e sólida.

Com demasiada frequência, observamos pessoas fracas e vacilantes que, como uma casa construída sobre a areia, desmoronam sob o primeiro choque de tentação. Queremos uma virtude sólida que, como uma casa construída sobre uma rocha, resista às ondas e às tempestades.

Por virtude sólida entendemos aquilo que vence as tentações, suporta as provações, persevera no trabalho. Um herói romano um dia disse a seus inimigos, surpreso com sua força de alma: Facere et pati fortia Romanum estAnseia um romano agir e sofrer com coragem. A virtude sólida realiza essas palavras, mas as faz muito melhor do que os heróis pagãos, e podemos dizer com toda a verdade que pertence à virtude cristã agir e sofrer com constância invencível. Quais são os princípios dessa solidez? Quais são os sinais ou características da virtude sólida?

 

Princípios da solidez

Um edifício para ser sólido, deve ter uma base firme, colunas imóveis; uma árvore, para resistir aos ventos, deve ter raízes profundas. Esse fundamento e essas raízes são os princípios da solidez. A verdadeira virtude tem princípios semelhantes, que são: fé, ódio ao pecado, humildade, confiança em Deus e oração.

. O santo Concílio de Trento, falando de fé, diz que é a raiz e o fundamento da justificação, consequentemente da vida e virtude cristã. São Paulo recomenda aos colossenses que continuem firmes, firmes e imóveis na fé: In fide fundati et stable (Col. I. 23).

Para assim servir como fundamento, a fé deve ser viva e firme. Deve ser tão firme quanto a dos apóstolos. Pense no que deve ter acontecido com aqueles homens que viram Jesus Cristo, que O viram poderoso em palavras e ações como o verdadeiro Filho de Deus, que O viram ressuscitar dos mortos, que O viram subir ao céu; Quão firme deve ter sido sua fé! Certamente, superou com firmeza qualquer outra fé, mesmo a que temos da existência de Roma. Portanto, veja como eles falam aos fiéis: Acreditem firmemente, irmãos, eles lhes dizem, pois declaramos a vocês o que ouvimos, o que vimos com nossos olhos e nossas mãos manipulamos (1 João I, 1). Não seguimos fábulas inventadas astuciosamente quando lhe fizemos saber o poder e a presença de nosso Senhor Jesus Cristo, mas fomos testemunhas oculares de Sua majestade (2 Pedro I. 16). Esta é a vitória que acontece, nossa fé (1 João v. 4). Sim, quando cremos no inferno, no céu, nas recompensas inestimáveis ​​de uma vida futura, e somos penetrados com essa fé, oh! então somos poderosos para desprezar o mundo e triunfar sobre ele.

A fé deve ser firme; também deve ser viva. Entendo com isso que vemos as coisas da fé não a uma distância vaga, mas próxima, com uma visão clara. Agora, essa fé clara, luminosa e viva é adquirida pela instrução cristã, pela boa leitura e pela consideração atenta das verdades que Deus nos revelou.

Essa fé viva e firme constitui o primeiro princípio da solidez da virtude.

2º O segundo consiste no ódio ao pecado. Falamos particularmente do pecado mortal, e dizemos que é necessário um horror supremo, para que, seja o que for que nos seja proposto, se implica um pecado mortal, é uma proposição rejeitada antecipadamente e que não admite exame nem discussão. Propor a um cristão que ele peque mortalmente é convidá-lo a se lançar em uma fornalha ardente. Ele pode, na razão, deixar de rejeitá-lo instantaneamente? Essa aversão suprema, esse ódio ao pecado, é um princípio de virtude sólida; e é porque falta com muita frequência que vemos tantas tristes quedas. O Espírito Santo nos permite entender isso quando ele nos diz: O temor do Senhor é o princípio da sabedoria (Pv. IX, 10). Por temor do Senhor, entende-se o medo de ofender a Deus. É o começo e fundamento da sabedoria e de toda virtude cristã.

3º Terceiro princípio da solidez, humildade cristã. Os santos e doutores nos apresentam a humildade como o segundo fundamento da vida cristã. A fé, eles nos dizem, é a pedra fundamental que deve sustentar o edifício; mas a humildade penetra nas profundezas da terra até atingir o terreno firme sobre o qual o fundamento deve ser lançado. Quem se humilha edifica solidamente, e o edifício de sua virtude alcançará os céus: Aquele que se humilhar será exaltado (Mt. XXIII, 12). São Pedro nos dá a razão disso quando nos diz: Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes (1 Pedro V, 5).

4º Quarto princípio de solidez, confiança em Deus. Somos tão fracos em virtude que, abandonados à nossa própria força, não podemos deixar de falhar; a cana, curvada diante de todo vento, é uma imagem da nossa força. Mas se a mão de Deus nos tocar, nossa fraqueza será transformada em força e o junco virará uma coluna. Sem mim, diz nosso Salvador, nada podeis fazer (João XV, 5); e São Paulo: tenho trabalhado mais abundantemente que eles; não eu, mas a graça de Deus comigo (1 Cor. XV, 10). Tudo posso naquele que me fortalece.

Agora, obtemos essa graça ajudadora, emprestamos essa força de Deus, por uma confiança constante e filial em Sua misericordiosa assistência. Eles confiam no Senhor como o Monte Sião; eles não serão movidos. Essa confiança, além de garantir a assistência de Deus, preserva-nos do desânimo, o prelúdio muito frequente de quedas e deserções.

5º Quinto princípio da solidez – Oração. O exercício santo da oração é o complemento da confiança e sua natural expressão. Quando olhamos para Deus como nosso protetor e suporte nós imploramos a Ele por todas as nossas necessidades; e, enquanto nossas necessidades prosseguem, nossa oração deve continuar.  Consequentemente, a lei de Nosso Salvador: Orai sempre sem jamais deixar de fazê-lo (Lc. XVIII, 1). Vigiai e orai, Ele nos fala, para que não entreis em tentação (Mt XXVI, 41). Um Cristão sem oração é como um soldado sem armas no dia da batalha; pela oração ele é revestido das armaduras de Deus. Portanto, quem não é tão desprezível na oração será constantemente exposto a perigos espirituais, enquanto quem tem espírito de oração não pode perecer.

Estes são os princípios com os quais produzimos e sustentamos uma virtude sólida.

 

Características da virtude sólida

As características pelas quais é possível reconhecer uma virtude sólida, os sinais que manifestam esta solidez, são paciência, desprezo ao respeito humano, um espírito de sacrifício, generosidade na superação de si mesmo, constância no Bem.

Paciência. O virtuoso débil, encontrando contradições, sejam elas de pessoas ou coisas, explode em queixas e murmúrios, desanima e frequentemente esquece de si mesmo por completo. Vemos homens, pelo contrário, suportando tudo – não apenas leves ofensas, falhas, falta de respeito, mas lesões, calúnias, os maiores ultrajes sem recriminar ou proferir uma queixa. Nas doenças mais longas e mais dolorosas, você diria que eles estavam sem dor, tão superiores às suas provações. Veja a paciência que é um sinal evidente de virtude sólida. O homem paciente, diz a Sagrada Escritura, é melhor que o valente, e aquele que governa seu espírito é melhor do que aquele que conquista cidades (Prov. Xvi. 32).

Desprezo ao respeito humano. Se é um ato de covardia se curvar sob o jugo do respeito humano, é um ato de coragem pisoteá-lo. A verdadeira virtude fundada em profundas convicções não possui outra regra de conduta, a não ser a lei do Soberano Mestre, da qual ela nunca perde de vista. O verdadeiro cristão, com os olhos fixos nessa Suprema Majestade que atraiu o universo do nada, e diante de quem todos os homens são poeira e cinzas, não sabe o que é temer ou sentir a menor vergonha de obedecê-Lo; e ele diz com os apóstolos: Nós queremos obedecer a Deus, e não aos homens (Atos V, 29). Não podemos deixar de falar das coisas que vimos e ouvimos (Atos IV. 20).

3º Um espírito de sacrifício. Entendemos aqui, por sacrifício, quando privando-nos de algo que nos custa, o que podemos dar a Deus ou ao próximo. É um sacrifício quando executamos boas obras; quando damos nossa força, nosso tempo, nossos meios; quando nos privamos do descanso, da diversão, da satisfação legal, pela causa da virtude. Distinguimos sacrifícios de livre escolha e sacrifícios necessários – isto é, aqueles que as circunstâncias, ou melhor, o próprio Deus, às vezes nos impõem, e que, aceitos com amor, são mais meritórios. Um e outro são os efeitos, as manifestações da virtude sólida.

Generosidade na superação de si mesmo. A grande máxima de Santo Inácio era superar a si mesmo – Vince te ipsum. Superar a si mesmo é vencer a repugnância quando existe um dever a ser cumprido, uma virtude a ser praticada.

Existem alguns que são piedosos, fiéis aos seus deveres, enquanto experimentam alguma atração; mas nunca surja um pequeno cansaço, ou haja repugnâncias a serem vencidas, eles cedem e recuam. Essa não é a conduta de cristãos sólidos; é suficiente que reconheçam um dever, uma ação de acordo com a vontade de Deus, que sejam inflamados com um ardor nobre e exclamem: Deus o cumpre! Eu devo me superar! Avante, em nome de Deus! Faça o que é certo, venha o que vier!

Constância. Há homens que começam muito e nada alcançam; são as mentes frívolas que nosso Salvador sinalizou na parábola do semeador. Algumas das sementes, Ele disse, caíram em terreno pedregoso, onde não tinha muita terra, e brotaram imediatamente porque não tinha profundidade terrosa, mas quando o sol nasceu, secou por não ter raiz.

Assim é quem detém a palavra de Deus e a recebe com alegria; mas como não tem raiz em seu coração, ele só persevera por um tempo; no dia da tribulação, ele falha.

Quando, pelo contrário, a virtude é sólida e mergulha suas raízes nas profundezas da alma, dá perseverança e constância. Antes de começar – o verdadeiro cristão reflete, erguendo os olhos para Deus, e quando reconhece a vontade divina, começa e continua o empreendimento, e nada pode prendê-lo. Se seu sucesso não corresponde aos seus esforços, se ele tropeça no caminho, ele se levanta sem medo e continua o que sabe ser agradável à vontade de Deus, lembrando-se das seguintes palavras: Aquele que perseverar até o fim será salvo.

Tais são os princípios e sinais sólidos de virtude.

Que possamos fortalecê-los cada vez mais em nossos corações! Essa felicidade será nossa se esforçarmos para adquiri-la com zelo, sob a proteção da Bem-Aventurada Virgem Maria, nossa Mãe.

 

Pe. F.X. Schouppe, S.J., em Sodality Director’s Manual (1882)
Tradução e adaptação por um congregado

Loading Likes...

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *