Primeiro Domingo da Quaresma

Ano Litúrgico, Tomo IV – D. Prosper Guéranger.
Tradução por um congregado mariano.

Este domingo, o primeiro dos seis inclusos na Quaresma, é um dos mais solenes ao longo do ano. Em comum com os outros domingos da Quaresma, tem o privilégio de ter precedência em relação a todas as festas, mesmo do patrono, santo titular ou dedicação da Igreja. Nos antigos calendários, é chamado de Invocabit, por causa da primeira palavra do Introito da Missa. Na Idade Média1, chamava-se “Domingo da Desonra”, porque os jovens, que se haviam conduzido mal durante o carnaval, eram obrigados a apresentar-se neste dia na igreja com uma tocha nas mãos, como uma espécie de satisfação pública por sua desordem e excesso.

A Quaresma solenemente se abre hoje e percebemos que os quatro dias anteriores foram adicionados desde o tempo de São Gregório Magno, a fim de completar quarenta dias de jejum. Contudo, nem podemos considerar a quarta-feira das cinzas como a abertura solene do tempo; pois os fiéis não são obrigados a ouvir a Missa naquele dia. A Igreja sagrada, ao ver seus filhos agora reunidos, fala com eles, em Sua Oração de Matinas, essas palavras eloquentes e nobres de São Leão Magno: “Tendo que anunciar-te, amado, o mais sagrado e principal jejum, o qual posso começar mais apropriadamente, do que com as palavras do apóstolo, em quem o próprio Cristo falou, e dizendo-lhe o que acabou de ler: Contemplai! agora é o tempo disponível. Contemplai! Agora é o dia da salvação.” Pois, embora não existam tempos que não estejam repletos de dons divinos, e possamos sempre, pela graça de Deus, ter acesso à Sua misericórdia, ainda devemos redobrar nossos esforços para progredir espiritualmente e ser animados com uma confiança incomum, agora que o aniversário do dia da nossa redenção está se aproximando, convidando-nos a dedicar-nos a todas as boas obras, para que possamos celebrar, com pureza de corpo e mente, o incomparável mistério da paixão do Nosso Senhor.

‘É verdade que a nossa devoção e reverência relativas a tão grande mistério devem ser mantidas durante todo o ano, e nós mesmos devemos estar a todo tempo, nos olhos de Deus, do mesmo modo que somos obrigados a estar na solenidade da Páscoa. Mas este é um esforço que apenas alguns dentre nós tem a coragem de sustentar. A fraqueza da carne nos induz a relaxar nossas austeridades; as várias ocupações da vida cotidiana retomam nossos pensamentos; e até mesmo os virtuosos acham seus corações entupidos pelo pó deste mundo. Por isso é que nosso Senhor nos providenciou esses quarenta dias, cujos exercícios sagrados devem ser para nós um remédio, através do qual possamos recuperar nossa pureza de alma. As boas obras e os jejuns sagrados desta época foram instituídos como uma expiação e uma supressão dos pecados que cometemos durante o resto do ano.

Agora, portanto, que estamos prestes a entrar nestes dias, que estão tão cheios de mistérios, e que foram instituídos para o santo propósito de purificar a alma e o corpo, tenhamos cuidado para fazer como o apóstolo nos pede, e limpemo-nos de toda impureza da carne e do espírito: que, portanto, o combate entre as duas substâncias seja menos feroz, fazendo com que a alma esteja sujeita a Deus, sendo a governante do corpo e recuperando sua própria dignidade e posição. Deixemos também de ofender a qualquer homem, de modo que não haja culpa ou falem coisas más de nós. Pois merecemos as duras observações dos infiéis, e provocamos as línguas dos ímpios para blasfemar a religião, quando nós estamos nos conduzindo rapidamente a vida profana. Pois nosso jejum não consiste na mera abstinência da comida; nem é muito útil negar comida ao nosso corpo, ao menos que reflita na alma com pecado’2.

Cada domingo da Quaresma oferece a nossa consideração uma passagem do Evangelho, que está de acordo com os sentimentos com que a Igreja nos quer fazer ser preenchidos. Hoje nos traz a tentação de nosso Senhor no deserto. Que luz e encorajamento existem para nós nesta instrução!

Reconhecemo-nos como pecadores; estamos comprometidos, neste momento, em fazer penitência pelos pecados que cometemos—mas como foi isto de termos caído em pecado? O diabo nos tentou; não rejeitamos a tentação; então cedemos à sugestão, e o pecado foi cometido. Esta é a história do nosso passado; e tal seria, também, para o futuro, se não nos beneficiarmos com a lição hoje dada pof nosso Redentor.

Quando o apóstolo fala da misericórdia maravilhosa que nosso Salvador divino nos mostrou, tendo limitado-se a gostar de nós em todas as coisas, salvo o pecado, Ele com justiça enfatiza suas tentações3. Ele, que é Deus, se humilhou mesmo tão baixo, para provar com tanta ternura que Ele nos compadeceu. Aqui, então, temos o Santo dos santos permitindo que o espírito perverso se aproxime dele, para que possamos aprender, do Seu exemplo, como devemos vencer a tentação.

Satanás fitou seus olhos em Jesus; ele está incomodado ao contemplar uma virtude tão incomparável. As maravilhosas circunstâncias de Seu nascimento; os pastores chamados por anjos ao seu berço, e os Magos guiados pela estrela; a fuga do infante da trama de Herodes; o testemunho prestado a este novo Profeta por João Batista; todas as coisas, que parecem tão desconectadas com os trinta anos passados na obscuridade em Nazaré, são um mistério para a serpente infernal e o enchem de apreensão. O inefável mistério da Encarnação foi realizado de maneira desconhecida para ele; ele nunca sequer suspeitou que a humilde Virgem, Maria, fosse a mulher predita pelo profeta Isaias, como tendo que dar a luz ao Emmanuel;4 mas ele está ciente de que chegou a hora, que a última semana falada para Daniel começou seu curso, e que muitos pagãos estão olhando para Judéia buscando um libertador. Ele tem medo deste Jesus; ele resolve falar com Ele, e suscita-Lhe alguma expressão que lhe mostrará se Ele é ou não o Filho de Deus; Ele o tentará a alguma imperfeição, ou pecado, que, se ele cometer, provará que o objeto de tanto medo é, afinal, um homem mortal.

O inimigo de Deus e dos homens, é claro, está desapontado. Ele se aproxima de Jesus; mas todos os seus esforços se voltam apenas para sua própria confusão. Nosso Redentor, com toda a serenidade e fácil majestade de um Homem de Deus, repele os ataques de Satanás; mas Ele não revela sua origem celestial. O espírito perverso se retira sem ter feito uma descoberta além disto—de que Jesus é um profeta, fiel a Deus. Mais tarde, quando ele vê o Filho de Deus tratado com desprezo, caluniado e perseguido; quando ele descobre que suas próprias tentativas de matá-lo serão tão bem sucedidas: seu orgulho e sua cegueira estarão no auge; e não até que Jesus expire na cruz, ele descobrirá que sua vítima não era apenas Homem, mas Homem e Deus. Então, ele descobrirá como todas as suas tramas contra Jesus estavam servindo para manifestar, em toda a sua beleza, a misericórdia e a justiça de Deus: Sua misericórdia, porque Ele salvou a humanidade; e Sua justiça, porque Ele quebrou o poder do inferno para sempre.

Estes foram os projetos da divina Providência, permitindo que o espírito perverso contaminasse, por sua presença, o retiro de Jesus, para falar com Ele, e colocar as mãos sobre Ele. Mas consideremos atentamente a tentação tripla em todas as circunstâncias; pois o nosso Redentor só sofreu para que Ele pudesse instruir e encorajar-nos.

Temos três inimigos para lutar contra; nossa alma tem três perigos; pois, como o discípulo querido, diz, tudo o que há no mundo, é a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e o orgulho da vida5. A concupiscência da carne significa o amor às coisas sensuais, que cobiça o que é agradável à carne, e, quando não encurralado, desenha a alma em prazeres ilícitos. Concupiscência dos olhos expressa o amor dos bens deste mundo, como riquezas e bens; estes deslumbram os olhos e depois seduzem o coração. O orgulho da vida é a confiança em nós mesmos, que nos leva a ser vaidosos e presunçosos, e nos faz esquecer que tudo o que temos, a nossa vida e todo bom presente, temos de Deus.

Todos os nossos pecados vem de uma dessas três fontes; cada uma de nossas tentações visa fazer-nos aceitar a concupiscência da carne, ou a concupiscência dos olhos, ou o orgulho da vida. Nosso Salvador, então, que seria nosso modelo em todas as coisas, se dignou submeter-se a estas três tentações.

Em primeiro lugar, Satanás tenta-o no que diz respeito à carne, sugerindo a Ele que satisfaça os desejos de fome, fazendo um milagre e mudando as pedras em pão. Se Jesus consentir, e demonstrar uma ânsia em dar essa indulgência ao Seu corpo, o tentador irá concluir que ele é apenas um mortal frágil, sujeito a concupiscência como outros homens. Quando ele tenta a nós, que herdamos a má concupiscência de Adão, suas sugestões vão além disso: ele se esforça para destruir a alma pelo corpo. Mas a santidade soberana do Verbo Encarnado nunca permitiria que Satanás usasse sobre Ele o seu poder de tentador dos homens em seus sentidos externos. A lição, portanto, que o Filho de Deus aqui nos dá, é de temperança: mas nós sabemos que, para nós, a temperança é a mãe da pureza, e a intemperança excita nossos sentidos para se rebelar.

A segunda tentação é o orgulho; “Lança-te para baixo; os anjos o levarão em suas mãos”. O inimigo está ansioso para ver se os favores do céu produziram na alma de Jesus esta altivez, esta autoconfiança ingrata, que faz com que a criatura arrogue os dons de Deus e se esqueça do seu benfeitor. Aqui, também, ele se frustra; a humildade do Redentor confunde o orgulho do anjo rebelde.

Ele faz um último esforço, esperando conquistar a ambição dAquele que deu provas de temperança e humildade, mostrando-lhe todos os reinos do mundo e a glória deles; e diz-lhe: “Tudo isto te darei, se prostrado me adorares”. Jesus rejeita a oferta miserável, e expulsa dali o sedutor, o príncipe deste mundo;6 nos ensinando que devemos desprezar as riquezas deste mundo, todas as vezes que a mantê-las ou recebê-las seja sob condição de violação da lei de Deus, ou seja, homenageando satanás.

Mas vamos observar como é que nosso modelo divino, nosso Redentor, supera o tentador. Ele escuta as suas palavras? Ele permite o tempo de tentação e dá-lhe forças pela demora? Nós fizemos isso quando fomos tentados; e nós caímos. Mas o Senhor imediatamente se encontra com cada tentação com o escudo da Palavra de Deus. Ele diz: “Está escrito: não só de pão, o homem vive. Está escrito: Não tentarás o Senhor teu Deus. Está escrito: O Senhor, teu Deus, adorarás, e a Ele só servirás “. Isso, então, deve ser nossa prática para o tempo vindouro. Eva trouxe a perdição sobre si mesma, e sobre toda a raça humana, porque ela ouviu a serpente. Aquele que demorar com a tentação é certo para cair. Estamos agora em uma estação de extraordinária graça; nossos corações estão em vigilância, ocasiões perigosas são removidas, tudo o que é saboroso no mundanismo é deixado de lado; nossas almas, purificadas pela oração, jejum e caridade, devem se levantar com Cristo, para uma nova vida; mas, estamos preservados? Tudo depende de como nos comportamos sob a tentação.

Aqui, na própria abertura da Quaresma, a Igreja nos dá esta passagem do santo evangelho, para que possamos ter não apenas um preceito senão um exemplo. Se estivermos atentos e fiéis, a lição que ela nos dará produzirá o seu fruto; e quando chegarmos à solenidade da Páscoa, teremos as promessas de perseverança seguras: vigilância, modéstia, oração e a ajuda da graça divina que nunca falha.

A Igreja grega, apesar de seu princípio de nunca admitir uma festa durante a Quaresma, celebra hoje uma das suas maiores solenidades. Chama-se Orthodoxia e foi instituída em memória da restauração de imagens sagradas em Constantinopla e no império oriental, no ano de 842, quando a imperatriz Teodora, auxiliada pelo santo patriarca Metódio, parou a perseguição iconoclasta e restaurou para as igrejas, as imagens sagradas que a fúria dos hereges haviam tirado.

  1. Especialmente na França
  2. Quarto Sermão da Quaresma
  3. Heb. IV. 15
  4. Is. VII. 14
  5. 1 S. São João II, 16
  6. S. João XIV. 30

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *