Segredos da vida de uma Congregação

O que mais nos deve preocupar, na vida das Congregações, não é a quantidade mas a qualidade; não é o elemento quantitativo, mas o elemento qualitativo.

As Congregações hão de ser, antes e acima de tudo, — escolas de santidade e escolas de apostolado. E para isto concorrem três coisas imprescindíveis, — segredos da vida mariana fértil e sadia: — Seleção, formação e apostolado.

 

Seleção

Cuidado máximo — atento e refletido — na escolha e admissão de candidatos e congregados.

“Nem todos, nem qualquer — é a norma áurea ditada pela experiência e pelas regras”, nota muito bem o Pe. Dainese. Do contrário não se vivem os “sérios compromissos marianos” jurados solenemente aos pés de Nossa senhora. As Congregações se desmoralizam. Tornam-se uma brincadeira. Não se tomam a sério as obrigações mais graves.

Precisamos do bom fermento, do punhadinho-elite, Marianos de escol. Congregados de brio e valor, milicianos intrépidos e destemorosos da Virgem Imaculada, almas grandes, corações sadios e magnânimos, quais lírios de pureza a se desfolharem aos pés da Mãe Imaculada e do seu divino Filho, enquanto os loucos do mundo se atolam no lodaçal dos vícios e se asfixiam na atmosfera malsã e pestilenta dos cassinos e orgias carnavalescas.

Se a Congregação não for elite — elite espiritual — está fadada a desaparecer, definhar, morrer… Se na Congregação faltar a seleção, “falta-lhe o princípio vital, a base insubstituível, a coluna mestra.

Poucos, mas bons, bem formados, repetimos com o P. Dainese. “A Congregação é elite”. A multidão, a massa nunca poderá ser elite. A Congregação é um exército, disciplinado, exercitado, mobilizado. A turba-multa nunca poderá ser exército.

“A presença na Congregação de pessoas que de congregados só têm o nome é um veneno mortal para a Congregação: cedo ou tarde matarão a Congregação a não ser que esta se desfaça desses fatores de dissolução… Nas Congregações não se admitem “medalhões” , congregados “honorários” , homens ornamentos, homens-enfeites.

A severidade justa, prudente e caridosa, mas decidida em eliminar os congregados que não vivem na e da Congregação produz sempre e infalivelmente um aumento qualitativo e quantitativo da Congregação. Repetimos: quantitativo. É a árvore que se poda “ut fructum plus áfferat”, como diz Nosso Senhor, para que seja mais fecunda” 1.

Saibamos, pois, escolher, — escolher bem e muito bem. Seleção, seleção, muita seleção! Trabalhemos, lutemos ardorosamente para formar Marianos convictos, desassombrados, decididos. Marianos de sacrifício e de abnegação, de trabalho e de coração, de vida moral profunda e de intensa vida sobrenatural. Marianos assim é que são a grandeza do nosso Brasil. É com Marianos desta têmpera que forjaremos o Brasil Novo. O Brasil de Cristo e de Maria, mais sadio, melhor e mais feliz.

Mas a seleção, embora seja “um dos segredos do valor, da força, da vida e da fertilidade das Congregações Marianas”, por si só não basta. Em si mesma a seleção, — se bem que indispensável, — não é senão uma condição para a vitalidade das Congregações. Precisamos juntar-lhe ainda a formação e o apostolado— formação primorosa e ardoroso apostolado — como magistralmente nos vai mostrar o Diretor da C. N. C. M.

 

Formação

“A formação é essencial em qualquer associação religiosa; é indispensável que os seus membros conheçam seus deveres, responsabilidades e compromissos e vivam deles. Porque isto é formação: conhecer e praticar. Ora a formação é tanto mais necessária, seu papel é tanto mais preponderante, quanto mais graves são os encargos e mais elevadas as finalidades da associação. A Congregação Mariana é uma associação de elite espiritual, exige que seus membros sejam pessoas de vida exemplarmente cristã, apóstolos denodados de Cristo, defensores decididos da Igreja. Claro está, pois, que na Congregação a formação é uma questão de vida e de morte. Congregado sem formação não é nem pode ser Congregado, assim como um círculo não é nem pode ser quadrado.

Fita, distintivo, manual, saudação, bandeira, festas, concentrações, — tudo isto são apenas símbolos, estímulos, coisas secundárias que só têm valor e sentido quando e onde os congregados são congregados de verdade, isto é, quando têm uma formação sólida, séria, esclarecida, consciente.

À vista disto aparece desde logo porque razão as regras insistem tanto e tão severamente na obrigação que têm os Congregados de se instruírem na religião, de se dedicarem seriamente aos exercícios de piedade e de apostolado” 2.

 

Apostolado

“O apostolado é essencial às Congregações Marianas. Irradiação e consequência natural do trabalho de aperfeiçoamento espiritual em que se devem empenhar seriamente os Congregados, o apostolado entra na natureza intrínseca da Congregação como uma das suas duas finalidades características: santificação própria e santificação dos outros.

Esse apostolado poderá e deverá ser exercido coletivamente pela Congregação e individualmente pelo Congregado; revestir-se-á das formas mais variadas e mais diversas do zelo cristão; adaptar-se-á às condições e às necessidades dos tempos, dos lugares, do ambiente; mas o que não padece dúvidas é que ele deve existir e que ele mantêm e estimula a vitalidade das Congregações e dos Congregados.

Congregações que se contentam com suas reuniões semanais, quinzenais ou mensais em que a monotonia, a improvisação, os elogios e as palavras matam o interesse, cortam as iniciativas, consagram a rotina e criam uma atmosfera de estagnação, de sonolência e de apatia, são congregações que vegetam inutilmente. Não têm vida produtiva; são árvores que ocupam infrutuosamente a terra, como diria o Evangelho.

Para que servem? Qual a finalidade prática de suas reuniões horrivelmente nulas? Dê-se, porém, à Congregação um campo de apostolado e ao Congregado a responsabilidade de uma iniciativa de zelo e ver-se-á como a vida começa a agitar o organismo e a se expandir de mil modos num estudar sempre crescente de entusiasmo, de interesse, de sugestões, de atividade, de trabalho. A seiva corre pujante fortalecendo e animando a vida!

 

Seleção, formação, apostolado: — é o trinômio vital das Congregações!


Extraído do Anuário da Federação das CCMM
do Paraná, de 1940.

  1. Estrela do Mar, Agosto de 1939.
  2. Estréia do Mar, Agosto de 1939.
Loading Likes...

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *